Semana Toda luz que não podemos ver: uma carta para Marie-Laure

Chegamos ao meio do caminho da semana Toda luz que não podemos ver, proposta pela Editora Intrínseca aos blogs parceiros, e o desafio de hoje é difícil: escrever uma carta para um personagem da obra de Anthony Doerr. Eu amo escrever e ler cartas, então, apesar de ter ficado com receio de não escrever algo decente, decidi participar da brincadeira e escolhi Marie-Laure como minha destinatária :) E aí está o resultado!

***

Querida Marie-Laure,

Quando conheci você, já órfã e prestes a perder a visão, me perguntei por que Deus, ou quem quer que seja, pode reservar tantos infortúnios a uma pessoa só. Acreditei que você, tão pequena e vulnerável, precisaria receber mais cuidados e proteção do que qualquer outra pessoa. Por um lado, eu acertei. Mas, por outro, errei – e muito feio.

Talvez você tenha precisado dos olhos e das esculturas do inesquecível Daniel LeBlanc, seu pai, para aprender a enxergar o mundo novamente. Afinal, como diria John Donne, “nenhum homem é uma ilha”. Mas a verdade é que você, Marie-Laure, ainda tão jovem e ingênua, aprendeu, como em um passe de mágica, a lição que, para muitos, nem mesmo uma vida inteira é o suficiente: o que realmente importa é invisível aos olhos.

Sim, eu me perguntei por que Deus, ou quem quer que seja, pode reservar tantos infortúnios a uma pessoa só. Mas a verdade é que, como minha própria mãe costumava dizer, “cada um recebe a missão que é capaz de cumprir”. E, mesmo sem ainda saber se acredito ou não em Deus ou em uma força maior, tenho a certeza de que minha mãe estava certa. E de que você, Marie-Laure, pode ter precisado de proteção e cuidados físicos – embora tenha se virado muito bem sozinha -, mas sempre protegeu todos ao seu redor e que conheceram a sua história com a força da esperança e o poder de “toda luz que não podemos ver” – que, para mim, é o amor. E por isso, Marie, eu sempre vou ser grata.

***

É difícil, talvez impossível, escrever algo que esteja à altura de Toda luz que não podemos ver, mas confesso que é divertido entrar na brincadeira e deixar as palavras fluírem :) Para ver os posts dos outros dias da semana dedicada à obra de Anthony Doerr, clique aqui e aqui!

selo-2015

Anúncios

9 pensamentos sobre “Semana Toda luz que não podemos ver: uma carta para Marie-Laure

  1. Oi Nádia, eu não pude entrar na “brincadeira” antes, porque já tinha outras coisas programadas para postar no blog, mas comecei hoje, e adorei <3 Já avisei os leitores do blog que até sábado teremos postagem sobre o livro.

    Também fiz carta para a Marie-Laure :)

    Beijos

    1. Obrigada, Wesley!
      Eu adoraria escrever para o Werner também, mas eu já escolhi 3 personagens favoritos em vez de um, então achei melhor obedecer e escrever só uma carta, hahaha! Daqui a pouco vou ler a sua :)
      Beijos

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s