Resenha de Sempre teremos o verão (Verão #3) – Jenny Han

Contém SPOILERS de O verão que mudou minha vida Sem você não é verão!

Juntos há dois anos, Belly e Jeremiah se tornaram inseparáveis! Os dois frequentam a mesma faculdade, e ela não tem dúvidas de que fez a escolha certa. Até uma descoberta que pode colocar tudo a perder. É quando Belly começa não só a questionar o amor do namorado, como também a repensar seus sentimentos por Conrad. Enfim, é hora de descobrir, de uma vez por todas, a qual dos irmãos seu coração realmente pertence.

Sempre teremos o verão é um prato cheio para quem não resiste a triângulos amorosos! E eu já adianto que Jenny Han criou uma armadilha perfeita, tornando quase impossível escolher um “time”. Isso porque se em Sem você não é verão, nos encantamos ao ler os capítulos narrados por Jeremiah, no terceiro livro da série, conhecemos mais de Conrad. E a partir da perspectiva do personagem, passamos a entender melhor as decisões e atitudes que com certeza julgamos no volume anterior. Resultado: você vai dar graças a Deus por não ser Belly!

Quando comecei a série, torci muito para que a protagonista amadurecesse ao longo dos livros. E ok, seria injusto dizer que ela não evoluiu. Mas continuou acima dos níveis de drama e egoísmo que eu considero aceitáveis. A situação de um triângulo amoroso nunca é fácil, ainda mais quando se trata de irmãos. No entanto, sempre esteve claro de quem Belly realmente gostava – o que ela nunca quis foi tomar uma decisão e correr o risco de perder o outro definitivamente. E, embora só houvesse um desfecho possível para mim, Jenny Han facilitou muito a decisão da personagem.

Mas isso não me incomodou tanto porque o ponto alto da trilogia Verão não é o triângulo Belly-Jeremiah-Conrad e, sim, Belly-Laurel-Susannah. A mãe dos meninos era parte da mística do verão, tão idealizada pela protagonista quanto as temporadas em Cousins Beach. E era compreensível porque Belly, que passou verões inteiros tentando impressionar Jeremiah e Conrad, nunca sentiu que precisava conquistar Susannah: o amor entre elas sempre foi tão natural quanto inabalável. Já a relação da personagem com a mãe é um pouco mais complexa e cheia de altos e baixos. No entanto, é nos detalhes e nas sutilezas típicas de Jenny Han que a admiração e o amor de Belly por ela ficam evidentes. E quer algo mais real, poderoso e precioso do que isso?

O significado de família, o amor em todas as formas, os aprendizados que o luto traz, as dores e delícias de crescer… Minhas temporadas com Belly foram sobre isso e muito mais! Ainda bem que sempre teremos o verão…

Título original: We’ll always have summer
Editora: Intrínseca
Volumes anteriores: O verão que mudou minha vidaSem você não é verão
Autor: Jenny Han
Ano: 2011
Avaliação: 4,5 estrelas

Veja mais livros de Jenny Han

Anúncios

Um pensamento sobre “Resenha de Sempre teremos o verão (Verão #3) – Jenny Han

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google photo

Está a comentar usando a sua conta Google Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s