Resenha de Com amor, Anthony – Lisa Genova

livro-com-amor-anthony-lisa-genova

Após a morte do filho autista Anthony, Olivia se divorcia do marido, David, e se refugia na ilha de Nantucket, onde espera encontrar a paz que precisa para superar a dor da perda. Enquanto isso, Beth, que vive na ilha há muitos anos, não pensa duas vezes em se separar de Jimmy, seu marido e pai de suas três filhas, após descobrir a traição de longa data. Sem saberem da existência uma da outra, Olivia e Beth tentam reencontrar a si mesmas, sem saber se isso é possível após tantas reviravoltas da vida. É quando o caminho das duas se cruzam e, de formas inesperadas, elas encontram respostas para muitas de suas perguntas.

>> Encontre o melhor preço de Com amor, Anthony

Eu já havia lido Para Sempre Alice Nunca Mais Rachel, em que Lisa Genova abordam o mal de Alzheimer e a Negligência Esquerda, respectivamente, e adorado a escrita direta da autora e a forma como ela, que é neurocientista, explica as doenças de maneira didática e dinâmica. Por isso, eu já sabia mais ou menos o que esperar de Com amor, Anthony. Mas Lisa conseguiu não apenas atender minhas expectativas, como também superá-las. A forma como a autora narrou e conectou as histórias de Beth e Olivia me lembrou bastante o estilo de Liane Moriarty, o que é um elogio e tanto, já que adoro O Segredo do Meu Marido e Pequenas Grandes Mentiras.

Seguindo a linha dos outros dois livros, Com amor, Anthony aborda o Autismo. No entanto, embora seja o assunto central da trama, a doença não é o ponto principal da história. Vou tentar explicar melhor: eu confesso que nunca soube exatamente como a condição “funcionava” e, depois de ler o livro, posso dizer que tenho uma noção muito melhor; no entanto, ao mesmo tempo em que dá detalhes sobre a doença, Lisa Genova também é capaz de se aprofundar em outras temáticas, tornando a obra muito mais rica em termos literários, interessante e tridimensional.

Em Para Sempre Alice Nunca Mais Rachel, a autora já abordou temas como vida a dois (principalmente em relação às consequências das doenças) e maternidade e, em Com amor, Anthony, ela não apenas se aprofunda ainda nestas temáticas, como também trata de outros assuntos polêmicos, como traição e luto.

No entanto, para mim, o maior mérito da obra é a forma como a autora focou menos na interação marido e mulher. Ela optou por mergulhar no universo em que suas personagens não são mais esposas ou mães, o que, apesar de todas as dificuldades e da tristeza, lhes devolve a liberdade e a possibilidade de serem apenas Beth e Olivia. E é por isso que o livro não pode ser considerado “simplesmente” uma obra sobre o Autismo. Com amor, Anthony é uma história sobre se redescobrir e sobre o amor em toda sua complexidade, e as inúmeras formas, boas e ruins, que existem de demonstrá-lo.

Título original: Love Anthony
Editora:
Nova Fronteira
Autor:
 Lisa Genova
Ano: 2012
Páginas: 304
Tempo de leitura: 4 dias
Avaliação: 4 estrelas

Veja mais livros de Lisa Genova

Nunca Mais Rachel – Lisa Genova

IMG_3507

Aos 37 anos, Rachel Nickerson é uma workaholic ambiciosa e muito bem-sucedida, que faz mil coisas ao mesmo tempo para dar conta dos três filhos pequenos, Charlie, Lucy e Linus. Ela sabe que precisa diminuir o ritmo, no entanto, ignora todos os sinais, até o dia em que sofre um grave acidente de carro. Rachel sobrevive à uma séria lesão cerebral, mas não livre de sequelas: devido ao trauma, ela passa a sofrer de Negligência Esquerda, ou seja, começa a ignorar tudo o que está ao seu lado esquerdo – inclusive seu próprio corpo. Impossibilitada de voltar ao trabalho, Rachel é obrigada a diminuir o ritmo, e é quando descobre que negligenciou muito mais coisas nos últimos anos do que imaginava.

nuncamaisrachel

Antes do acidente acontecer, Lisa Genova retrata o dia a dia atribulado de Rachel, abordando bastante não apenas a rotina de trabalho, como também – e principalmente – a relação da personagem com a maternidade. Confesso que achei a parte pré-acidente do livro um pouco longa, mas também entendo que ela seja necessária justamente para mostrar a negligência da protagonista com sua própria vida e bem-estar. Assim como Alice, de Para Sempre Alice, Rachel é uma mulher ativa, dona de si e que dá muito valor ao intelecto, por isso, depender quase que totalmente de terceiros a faz se sentir mais debilitada – ou seria inválida a palavra certa? – do que realmente está e até humilhada.

Mais uma vez, por ser neurocientista por formação, a autora foi capaz de retratar a doença de maneira realista, o que ajuda a evitar a pieguice e os clichês. Ao se ver 100% lúcida (diferente de Alice, que sofre de Alzheimer), porém completamente debilitada fisicamente, Rachel encontra em suas dificuldades a chance não apenas de, ironicamente, reaver sua vida, mas também de se reconectar com a mãe e de compreender o filho Charlie, diagnosticado com Transtorno de Déficit de Atenção e Hiperatividade. E se o desfecho de Para Sempre Alice deixou a desejar, o final de Nunca Mais Rachel é ideal – plausível e realista, mas cheio de esperança.

Rachel é uma personagem forte, obstinada e de espírito vencedor, mas ainda humana, e Lisa Genova foi capaz de retratar com muita honestidade sua batalha cheia de altos e baixos, que transita entre a autopiedade, a raiva, o comodismo, a aceitação e muitos outros sentimentos conflitantes. Nunca Mais Rachel é, na verdade, uma metáfora sobre o quanto negligenciamos a nós mesmos e nossas vontades. É também sobre perdoar aos outros e a si mesmo e entender que aceitar as situações como elas são não é sinônimo de desistir: é lutar com sabedoria.

Título original: Left Neglected
Editora: Nova Fronteira
Autor: Lisa Genova
Ano: 2011
Páginas: 287
Tempo de leitura: 4 dias
Avaliação: 5 estrelas

*Descobri via Goodreads que, no livro em inglês, a protagonista é Sarah, em vez de Rachel. Enviei um e-mail à editora Nova Fronteira, responsável pela publicação da obra no Brasil, e eles me informaram que essa foi uma decisão editorial da casa.

**Acredito que a editora Nova Fronteira tenha optado por “traduzir” Left Neglected para Nunca Mais Rachel para “combinar” com Para Sempre Alice. No entanto, acho importante ressaltar a inteligência do título original, que, acredito eu, se refere não apenas à doença, mas também à situação da protagonista, que foi negligenciada por si mesma.

Veja mais livros de Lisa Genova

Livro x Filme: Para Sempre Alice

IMG_9326

Na maioria das vezes, a minha vontade de ler um livro nasce antes do desejo de assistir à adaptação cinematográfica. No entanto, com Para Sempre Alice (resenha aqui) foi justamente o contrário: assim que li a sinopse e soube que a protagonista seria vivida por Julianne Moore, decidi ler a obra de Lisa Genova apenas para assistir ao filme depois (e botar defeito, claro, hehe). E aqui está minha resenha da adaptação de Para Sempre Alice.

Logo no início, quem leu Para Sempre Alice irá sentir que o filme apertou o botão Fast Forward, pois tudo acontece muito rápido. E eu até entendo que não dá para ficar “enrolando” o espectador, ainda mais com algo que ele já sabe, pois está na sinopse. Mas o longa é relativamente curto (apenas 101 minutos) e acredito que algumas mudanças, como o fato de Alice logo contar a John que foi diagnosticada com a doença de Alzheimer, foram desnecessárias e acabaram amenizando alguns dos principais dramas e dilemas da protagonista.

Também senti muita falta (e esta considero uma falha quase grave) de ver um pouco mais do lado profissional de Alice. No livro, fica claro que o que a personagem mais valoriza e mais teme perder é justamente seu conhecimento intelectual, base sobre a qual construiu toda a bem-sucedida vida profissional. Já no filme, acredito que esta problemática não fique tão clara e ignorar a existência de Dan, o orientando de Alice no livro, é também ignorar um pouco do ponto principal do grande dilema da personagem.

IMG_9325

Poderíamos dizer que estas mudanças foram feitas a fim de focar mais no lado pessoal e humano da história, como por exemplo, em como a família poderia lidar com toda a situação. Mas a verdade é que nem esse aspecto é tão bem explorado, o que não justifica as alterações. Também senti falta de outras cenas, que acho que seriam bastante impactantes e ilustrariam bem o drama da situação, do grupo de apoio idealizado por Alice e da ideia dos DVDs que Lydia fez para a mãe. Por outro lado, o discurso de Alice sobre a convivência com a doença foi muito melhor e mais tocante no filme. Já do ponto de vista “técnico” (não que eu entenda), gostei bastante do recurso de blur que os diretores usaram para ilustrar os momentos de “apagão” de Alice.

Alec Baldwin e Kate Bosworth personificaram bem John e Anna, a filha mais velha, mas sem grandes destaques. Já a personagem de Kristen Stewart, a caçula Lydia, exigiria, na minha opinião, uma atuação vibrante, que misturasse rebeldia e sensibilidade. E todo mundo sabe que a atriz não é exatamente um símbolo de vivacidade, por isso, deixou a desejar, sim. E se o filme ou o elenco não são tão extraordinários quanto poderiam ser, Julianne Moore recompensa o espectador com uma atuação impecável e realmente digna do Oscar: dramática e devastadora, mas regada a senso de humor e pureza, exatamente como a doença em si.

Título original: Still Alice
Diretores: Richard Glatzer e Wash Westmoreland
Ano: 2015
Minutos: 101
Elenco: Julianne Moore, Alec Baldwin, Kate Bosworth, Kristen Stewart e Hunter Parrish
Avaliação: 3 estrelas

Para Sempre Alice – Lisa Genova

IMG_8449

Alice Howland tem 50 anos, é muito bem casada e mãe de três filhos adultos. Professora de psicologia cognitiva em Harvard, ela é extremamente bem-sucedida e viaja o mundo, participando de congressos e dando palestras sobre sua especialidade. No entanto, apesar de levar uma vida bastante saudável, Alice sente que anda esquecendo muitas coisas além do que é considerado comum. Por isso, após um episódio de desorientação a poucos quarteirões de casa, ela decide ir ao médico e descobre sofrer da doença de Alzheimer de instalação precoce. A partir do diagnóstico, Alice enfrenta não apenas a condição, mas também a discriminação, as mudanças nas dinâmicas familiar, profissional e a dois e, principalmente, a necessidade de deixar a “Alice de sempre” para trás.

parasempre

Me interessei por Para Sempre Alice porque admito o meu “fraco” por histórias que envolvem doenças e afins – é mórbido, eu sei, mas realmente me identifico – e também porque gosto bastante da Julianne Moore, que interpreta a protagonista na adaptação cinematográfica. Apesar de tudo isso, comecei a leitura meio que sem saber o que esperar e, que grata surpresa!, simplesmente amei a obra de Lisa Genova. Formada neurocientista, a autora teve conhecimento o suficiente para dar detalhes precisos e científicos sobre a progressão e o tratamento da doença, conferindo mais credibilidade à obra, mas também mostrou sensibilidade e criatividade ao desenvolver a história.

Talvez eu jamais consiga recuperar o que já perdi, mas possa conservar o que tenho. E ainda tenho muito.

Apesar de ser em terceira pessoa, a narrativa de Para Sempre Alice é de uma honestidade ímpar e foi um recurso usado de forma muito interessante por Lisa Genova para retratar a progressão da doença. Extremamente realista, a história mostra todas as facetas da situação e também foca em como cada pessoa ao redor do portador da doença reage de formas diferentes e, muitas vezes, surpreendentes em relação ao problema.

Quem já conviveu com um portador de Alzheimer (não é meu caso) provavelmente irá se identificar bastante com os episódios narrados em Para Sempre Alice. Ora tristes, ora redentoras, as situações vividas pela protagonista após o diagnóstico parecem ser um retrato extremamente fiel à realidade e, portanto, angustiantes e desesperadoras, mas também, de alguma forma, redentoras, talvez pela forma como ela lida com a situação.

Esquecerei do hoje, mas isso não significa que o hoje não tem importância.

Em Para Sempre Alice, Lisa Genova foi capaz de deixar o clichê e a pieguice de lado e retratar com sensibilidade e realismo o lado cada vez menos lúcido, mas sempre humano, do portador da doença de Alzheimer. Com surpreendente leveza e a combinação perfeita entre senso de humor e drama, a autora nos faz olhar para a condição com mais compaixão do que dó e Alice nos mostra como esquecer cada vez mais de tudo pode tornar o que restou mais valioso. E quer saber? No final, o ser humano é capaz de se acostumar a tudo.

Título original: Still Alice
Editora: Nova Fronteira
Autor: Lisa Genova
Ano: 2007
Páginas: 279
Tempo de leitura: 2 dias
Avaliação: 4 estrelas

*Para Sempre Alice foi adaptado ao cinema e, em 2015, venceu o Oscar de Melhor Atriz, com Julianne Moore. Kate Bosworth, Kristen Stewart e Alec Baldwin também estão no elenco.