Primeiro e Único – Emily Giffin

IMG_4216

Walker, no Texas, respira futebol americano, assim como Shea Rigsby. Por conta do amor pelo esporte e pelo time da faculdade local, ela se recusa a deixar a pequena cidade onde nasceu e cresceu, e até arranjou um emprego no departamento de esportes da universidade. Fruto de um lar desfeito, Shea encontrou tranquilidade e segurança na família de sua melhor amiga Lucy, que é filha do lendário treinador do time de futebol americano da Walker, Clive Carr, seu ídolo. No entanto, quando Connie, a mãe de Lucy, perde uma batalha para o câncer, muitas coisas se transformam na vida de todos que estavam ao seu redor e Shea decide que está na hora de sair da zona de conforto. Mas, talvez, a mudança que mais deseja esteja, literalmente, ao seu lado.

primeiroeunico

Emily Giffin é uma das autoras que eu mais gosto, por ser capaz de criar dilemas realmente complicados de resolver e, principalmente, por retratar as questões femininas sem precisar recorrer aos “contos de fadas modernos”. Por isso, nem mesmo as críticas negativas sobre Primeiro e Único me fizeram desanimar, mas devo confessar que o mais recente livro da autora deixa um pouco a desejar em relação aos seus melhores – para mim, Questões do Coração, O Noivo da Minha Melhor Amiga e Presentes da Vida, respectivamente.

– Tem certeza disso? – perguntei, protelando, mas também pensando que amar alguém significa, muitas vezes, ter confiança nessa pessoa.

O primeiro ponto negativo de Primeiro e Único é o ritmo: o início é um pouco truncado e a história demora para engrenar. Mas, lá pela página 100, a trama pega no tranco e a leitura começa a fluir e a se parecer mais com uma obra de Emily Giffin. O aspecto que mais me deixou com o pé atrás, porém, eu não posso revelar, pois seria um spoiler sem perdão. De qualquer forma, bizarro ou não, o fato é que esse aspecto pode ter me incomodado, mas é também um sinal de coragem da autora e é exatamente o que dá o tom à toda a obra.

O amor faz tudo parecer instável e, quando paramos para pensar nisso, tudo na vida é frágil, fugaz e, por fim, trágico.

O que mais me incomodou em Primeiro e Único, porém, não tem nada a ver com a trama em si e, sim, com a tradução. É comum encontrar um errinho ou outro nos livros, afinal, tradutores, editores e revisores não são máquinas. Mas o que encontrei no livro de Emily Giffin não pode ser chamado de “errinhos”: falta de padrão e checagem (tipo escrever Gisele – a Bündchen – com dois L’s) e erros que acredito serem de digitação são os mais comuns, no entanto, o mais doloroso me fez até perder um pouco da fé na humanidade: alge. Sim, com L em vez de U.

No fim das contas, todo mundo, em algum momento da vida, não se ilude com sua própria narrativa?

Voltando ao livro, gostei muito da forma como Emily Giffin retratou como a morte de uma mãe afeta a dinâmica de uma família, a relação de idolatria e, principalmente, o amor pelo esporte que eu, como corintiana fanática, entendo muito bem. Apesar de ter algumas conveniências que tornaram os dilemas de Shea mais fáceis de resolver e ser um pouco previsível, Primeiro e Único não é um livro ruim: apesar de todos os pesares, ele apresenta as melhores e principais características de Emily Giffin – dilemas universais, como maternidade, casamento, trabalho e amor, de um ponto de vista inegavelmente realista e feminino.

Título original: The One and Only
Editora: Novo Conceito
Autor: Emily Giffin
Ano: 2014
Páginas: 446
Tempo de leitura: 5 dias
Avaliação: 3 estrelas

Veja mais livros de Emily Giffin

Compare preços de Primeiro e Único

Uma Prova de Amor – Emily Giffin

IMG_4387

Aos 35 anos, Cláudia é independente, bem-sucedida e tem uma certeza na vida: não quer ter filhos. Casada com Ben, ela vive uma relação sólida, feliz e à prova de bebês, já que o marido também não almeja ser pai. Mas, quando um casal de amigos conta que está esperando o primeiro filho, Ben muda de opinião e tenta convencer Cláudia de que, no fim, ter um bebê não é uma ideia tão ruim. Irredutível, ela mantém a convicção de sempre, o que abre as portas para um caminho que pode não ter mais volta.

umaprovadeamor

Em Uma Prova de Amor, Emily Giffin apresenta, mais uma vez, uma história que poderia acontecer de verdade e, livre de vilões ou mocinhos, mostra os personagens exatamente como as pessoas reais são: cada uma com suas questões, cheias de dúvidas, sentimentos conflitantes e medos e nem 100% boas ou 100% ruins. Ou seja, humanas.

Além da história principal, Uma Prova de Amor traz uma série de tramas paralelas que, de alguma forma, estão ligadas ao dilema de Cláudia e Ben. E esses casos não servem apenas para “engordar” o livro e, sim, para mostrar, ainda que de forma indireta, os outros lados da história. Diferente de outros livros de Emily, como Questões do Coração e Laços Inseparáveis, Uma Prova de Amor é narrado em primeira pessoa apenas por Cláudia. E o esquema funciona muito bem e enriquece a narrativa, pois o dilema principal é dela e é interessante saber como ela reage aos diferentes acontecimentos.

Você pode pensar que já sabe qual será o desfecho, mas a história permanece totalmente em aberto até as últimas páginas. Quando comecei a ler Uma Prova de Amor, tive receio de que a trama terminasse da forma mais simples e previsível possível. Mas Emily não decepcionou: o final é, como todo o resto da história, coerente, realista e desprovido de forçações, mas sem perder aquela dose de emoção.

Título original: Baby Proof
Editora: Novo Conceito
Autor: Emily Giffin
Ano: 2006
Páginas: 410
Tempo de leitura: 5 dias
Avaliação: 5 estrelas

Veja mais livros de Emily Giffin

Laços Inseparáveis – Emily Giffin

Processed with Rookie

A vida de Marian Caldwell pode parecer o sonho de muitas mulheres: aos 36 anos, ela é produtora de uma série de televisão de sucesso, mora em uma cobertura em Nova York e tem um ótimo namorado – que, por acaso, é o CEO da TV para qual ela trabalha. Mas, quando Kirby Rose, uma menina de 18 anos, bate à sua porta tarde da noite, Marian sabe que o seu mundo, que muitos (inclusive ela) acreditam ser perfeito, pode estar ameaçado. E é nesse momento que ela precisa descobrir se está disposta a admitir, encarar e, o mais importante, reparar os erros do passado.

lacos

Em Questões do Coração Presentes da Vida, ambos companion books de O Noivo da Minha Melhor Amiga, Emily Giffin já havia se mostrado capaz de “interpretar” vários de seus personagens. E em Laços Inseparáveis, a autora apenas confirma essa habilidade, uma vez que a história é contada em primeira pessoa pelos pontos de vista de Marian e Kirby. No entanto, nesta obra, o desafio pode ser considerado maior porque, além da “troca” de personagens, que acontece de um capítulo para outro, Emily precisou escolher bem qual parte deveria ser contada por quem – os ângulos se completam e, pelo que lembro, os fatos não se repetem.

Assim como em Ame o que é seu, em Laços Inseparáveis Emily fala sobre descobertas pessoais, passado, redenção e pessoas às quais pertencemos, que são, de alguma forma, o nosso lar. Neste livro, Kirby é uma menina deslocada que precisa encontrar seu verdadeiro eu para evoluir e achar o seu lugar; e Marian é uma mulher que, apesar de bem-sucedida, tem muitas questões mal-resolvidas escondidas em si mesma e precisa resolvê-las para que sua vida deixe de ser perfeita e passe a ser correta.

É muito difícil falar muito sobre Laços Inseparáveis sem entregar alguns pontos, então vou me contentar em dizer que o que mais me agradou na obra é o “pé no chão”. Claro que a história em si não pode ser de chamada de comum, mas o seu desenrolar é perfeitamente possível e dentro da realidade, como todas as tramas criadas por Emily. Por isso, uma vez mergulhada no contexto, é fácil entender o que Marian e Kirby pensam e sentem – mesmo que a maioria de nós dificilmente vá passar por uma situação como essa. Além disso, o ritmo da história é perfeito, mantendo os níveis de mistério sem deixar cair no tédio. Sobre o final, você provavelmente irá cogitar diversos desfechos e é bem possível que o verdadeiro fim esteja entre suas apostas. No entanto, ele acontece de forma natural, o que o torna justo e plausível, mas sem perder aquele toque especial.

Título original: Where we belong
Editora: Novo Conceito
Autor: Emily Giffin
Ano: 2012
Páginas: 448
Tempo de leitura: 6 dias
Avaliação: 4 estrelas

Veja mais livros de Emily Giffin

Presentes da Vida – Emily Giffin

ATENÇÃO! CONTÉM SPOILERS DE O NOIVO DA MINHA MELHOR AMIGA!

IMG_4150

Darcy Rhone tinha tudo o que uma mulher poderia querer: Dex, o noivo perfeito, Rachel, a melhor amiga leal, e um emprego glamouroso em Nova York. No entanto, tudo mudou quando Dex cancelou o casamento dos sonhos para ficar com Rachel e deixou Darcy, grávida de outro homem, para trás. Inconformada por, pela primeira vez na vida, ser colocada em segundo plano, Darcy decide, como sempre, esnobar a todos e viver sua vida de glamour em Londres, com o amigo de longa data, Ethan. No entanto, quando desembarca na cidade, Darcy descobre que nem tudo – ou quase nada – será chique e luxuoso na terra da Rainha.

presentes

Como a Emily Giffin é uma das minhas autoras preferidas, eu já havia lido Presentes da Vida em 2011, em inglês, logo após ler O Noivo da Minha Melhor Amiga, primeiro da série de companion books. Mas, quando o livro foi lançado aqui no Brasil, quis completar a coleção em português e pensei “por que não reler?”. Há três anos, eu já havia gostado bastante de Presentes da Vida e, desta vez, não foi diferente. Embora Emily Giffin já tenha provado ter a habilidade de narrar a mesma história sob pontos de vista diferentes – a autora usa o recurso em Questões do Coração Laços Inseparáveis -, no companion book de Noivo da Minha Melhor Amiga, ela se supera. Afinal, quão arriscado é contar a continuação de uma história sob o ponto de vista da “vilã”?

Era amor como verbo, como Rachel costumava dizer. Amor que me fazia mais paciente, mais leal e mais forte.

Bem, pode até ser arriscado, mas Emily transformou o risco em acerto em cheio. Porque é claro que depois de tudo o que acontece em O Noivo da Minha Melhor Amiga, é praticamente impossível começar a leitura de Presentes da Vida gostando de Darcy – até porque a nova protagonista continua cometendo erros até piores do que os anteriores. Mas é exatamente aí que está o grande trunfo do livro: os erros humanizam Darcy e dão espaço à evolução – nada forçada, diga-se se passagem – e à redenção da personagem.

Uma das maiores virtudes de Emily Giffin é usar a própria vida como “vilã” de suas histórias. Por mais clichê que possa parecer, a autora consegue explorar de forma extremamente realista o fato de que realmente colhemos o que plantamos. E em Presentes da Vida, Emily mostra mais uma vez que nossos erros podem trazer consequências boas, ruins, irreparáveis e reversíveis. Mas que também podem ser transformadoras e redentoras, desde que haja amor e amizade verdadeiros.

Título original: Something Blue
Editora: Novo Conceito
Companion books: O Noivo da Minha Melhor Amiga Questões do Coração
Autor: Emily Giffin
Ano: 2005
Páginas: 384
Tempo de leitura: 3 dias
Avaliação: 5 estrelas

Veja mais livros de Emily Giffin

O Noivo da Minha Melhor Amiga – Emily Giffin

o-noivo-da-minha-melhor-amiga

Rachel White é uma advogada bem-sucedida, mas sua vida amorosa não está tão bem quanto ela gostaria: aos 30 anos, Rachel continua solteira e sem namorados em potencial à vista. Enquanto isso, sua melhor amiga desde a infância, Darcy Rhone, parece levar a vida perfeita: tem um emprego glamouroso como relações públicas e está noiva de Dexter, um homem que muitas mulheres adorariam ter ao lado. Rachel está acostumada a viver à sombra de Darcy, que sempre consegue o que quer, custe o que custar. No entanto, esta dinâmica pode mudar quando Dexter beijá-la no banco de trás de um táxi.

onoivo

Li O Noivo da Minha Melhor Amiga pela primeira vez em 2011, logo depois de ter assistido à adaptação cinematográfica com Kate Hudson e Ginnifer Goodwin, e lembro de ter gostado muito. Hoje, a Emily Giffin é uma das minhas autoras preferidas e, como já li todos os livros dela, decidi repetir o seu primeiro romance.

O Noivo da Minha Melhor Amiga já chama atenção pela premissa e cumpre tudo o que a sinopse promete. E, como não poderia ser diferente, explora as questões morais que uma traição envolve, com o agravante de que, no caso de Rachel, a infidelidade é dupla. Para mim, a melhor característica de Emily já aparece logo em sua obra de estreia: a capacidade de criar personagens e situações que poderiam ser completamente reais, sem vilões ou mocinhos caricatos. Rachel e Darcy não são apenas profundas, mas também tridimensionais, o que permite que o leitor “mude de lado” durante todo o livro.

Em O Noivo da Minha Melhor Amiga, Emily Giffin foi capaz de criar não só um romance envolvente, mas, principalmente, uma história de amizade fortíssima. Para completar, com a narrativa de Rachel em primeira pessoa, a autora consegue explorar os sentimentos mais sinceros e, muitas vezes, sórdidos da protagonista, o que dá ainda mais profundidade à trama. Dilemas e reviravoltas não irão faltar.

Título original: Something Borrowed
Editora: Agir
Companion books: Presentes da Vida e Questões do Coração
Autor: Emily Giffin
Ano: 2004
Páginas: 351
Tempo de leitura: 5 dias
Avaliação: 5 estrelas
**Em 2011, O Noivo da Minha Melhor Amiga foi adaptado ao cinema, com Kate Hudson e Ginnifer Goodwin nos papéis de Darcy e Rachel, respectivamente.

Veja mais livros de Emily Giffin

Ame o que é seu – Emily Giffin

ame-o-que-e-seu

Ellen Dempsey perdeu a mãe aos 13 anos e precisou batalhar bastante para chegar a algum lugar. No entanto, a vida lhe foi generosa anos depois e, perto dos 30, a fotógrafa vive um casamento perfeito com Andy Graham, mora bem em Nova York, é apaixonada pelo trabalho e tem uma fiel melhor amiga – Margot que, não por acaso, é irmã de Andy. Ou seja, Ellen tem o que grande parte das mulheres da sua idade poderia desejar e valoriza cada detalhe de sua, agora, boa vida. Até o dia em que reencontra Leo, seu ex-namorado, casualmente, após 8 anos sem vê-lo. O encontro teria sido apenas uma obra sem importância do destino, se o final do relacionamento com Leo não fosse um assunto mal-resolvido para Ellen.

ameoqueeseu

No entanto, a fotógrafa não sabia – ou preferia fingir que não sabia – que guardava tantas mágoas do ex . Por conta disso, logo, o reencontro, a princípio inocente, traz à tona sentimentos reprimidos e lembranças que, na verdade, ela jamais deixou para trás. O misto de medo, orgulho e, quem sabe, amor faz com que Ellen deixe que Leo retorne à sua vida. E, então, a crise está instalada e a fotógrafa precisa se decidir entre se aventurar com o ex-namorado ou continuar sua vida perfeita com atual marido, Andy.

Mesmo não tendo a história mais original do mundo, Ame o que é seu é envolvente e realmente prende a atenção – dá vontade de ler numa tacada só. O livro inteiro gira em torno do dilema de Ellen e, embora isso possa parecer cansativo, é aí que está o super ponto positivo da obra: sã0 312 páginas de uma combinação perfeita entre reflexões, romance e tensão. As personagens foram muito bem construídas pela autora, o que dá ainda mais veracidade à história, enquanto as cenas em que ela narra os encontros entre Ellen e Leo são simplesmente perfeitas – as sensações chegam a ser reais.

Eu estava simplesmente amando o livro e me identificando com cada momento vivido pela Ellen. Já passei por situação parecida e tudo soava extremamente real: a culpa pela dúvida, o medo do arrependimento, a paixão incontrolável… Até que cheguei às 10 últimas páginas e percebi que o final me decepcionaria. Naquelas páginas finais, Ellen muda de ideia repentinamente e, na minha opinião, justamente pelas razões que evitou levar em consideração durante toda a história. Por isso, devo dizer que Ame o que é seu tem um desenrolar ótimo, mas o final foi desapontador para mim.

Embora o final não tenha sido o que eu esperava, a lição que Ame o que é seu me deixou foi que devemos nos apegar àquilo que é verdadeiramente nosso. Por isso, antes de dizer que amamos, precisamos nos conhecer de verdade para, então, descobrir do que realmente gostamos. Com sinceridade, sem medos, frescuras ou censuras – afinal, existe algo mais nosso do que isso?

Título original: Love the one you’re with
Editora: Novo Conceito
Autora: Emily Giffin
Ano: 2009
Páginas: 312
Tempo de leitura: 6 dias
Avaliação: 3 estrelas

Veja mais livros de Emily Giffin

Questões do Coração – Emily Giffin

questoes-coracao

Tessa Russo é esposa de Nick, um cirurgião plástico renomado, e mãe de dois filhos. Sobrecarregada com as tarefas de dona de casa e profissional, Tessa tomou a difícil decisão de abandonar a carreira com o objetivo de proporcionar uma maior qualidade de vida à sua família. Valerie Anderson é advogada e mãe solteira de Charlie e, apesar de ser bem-sucedida profissionalmente, não teve muitas boas experiências no campo amoroso, por isso, se fechou para novas possibilidades. Tessa e Valerie vivem em Boston, mas nunca se encontraram e não têm muitas coisas em comum. Porém, um acidente irá se encarregar de unir suas vidas, ainda que indiretamente, e mostrar o que é realmente importante.

Encontre o melhor preço de Questões do Coração

Questões do Coração é narrado em primeira pessoa por Tessa e em terceira por Valerie. O recurso é interessante porque, ao mesmo tempo em que você se sente indiretamente influenciada a compreender melhor Tessa, a narração onisciente do ponto de vista de Valerie faz com que você se sinta dividida, já que nenhuma das personagens tem intenções completamente boas ou ruins. E essa profundidade dos pensamentos e sentimentos de ambas tornam a história mais real, além de envolvente.

Dissertar sobre Questões do Coração sem revelar demais é quase impossível. Então, para evitar gafes, vou apenas dizer que o que mais gostei nesta obra de Emily Giffin é o quão possível ela é. Todos os outros livros de Emily têm essa característica, no entanto, acredito que Questões do Coração seja o mais próximo da realidade, algo que realmente poderia acontecer com todos nós. Outra coisa que notei neste livro (e depois percebi que, na verdade, é assim em todas as obras de Emily) é que não existe um vilão na trama. Não existem personagens inteiramente más ou boas e, sim, pessoas que poderiam existir (e que provavelmente existem) e que ficam confusas e perturbadas com uma avalanche de sentimentos negativos e positivos.

Ler Questões do Coração me fez ter medo de como a vida real pode se desenrolar, já que, diferentemente de grande parte dos chick lit, o desfecho não é perfeito e, sim, plausível. Mas, ao mesmo tempo, me fez ter esperanças de que podemos superar muitas coisas nesta vida, mesmo que elas sejam algo que nunca havíamos imaginado ou algo do que sempre fugimos. Desde que terminei a leitura, tenho pensado bastante no que realmente importa. E acho que a resposta está diretamente ligada ao que é ser feliz.

**Questões do Coração pode ser considerado companion book de O Noivo da Minha Melhor Amiga e Presentes da Vida, já que Dexter é irmão de Tessa e ele e Rachel participam bastante da história – até mesmo Darcy é rapidamente citada. Então, o interessante é ler Questões do Coração depois destes outros.

Título original: The Heart of the Matter
Editora: Novo Conceito
Companion books: O Noivo da Minha Melhor Amiga e Presentes da Vida
Autor: Emily Giffin
Ano: 2011
Páginas: 438
Tempo de leitura: 5 dias
Avaliação: 5 estrelas

Veja mais livros de Emily Giffin