Resenha de As coisas que perdemos no fogo – Mariana Enriquez


As coisas que perdemos no fogo reúne 12 contos que levam o terror e a fantasiacenários e situações cotidianos. O livro me chamou a atenção pelo título e, quando vi que a autora, Mariana Enriquez, era argentina, fiquei ainda mais curiosa – afinal, eu nunca resisto a Buenos Aires!

>> Encontre o melhor preço de As coisas que perdemos no fogo

A orelha do livro já dá uma boa prévia do que iremos encontrar em As coisas que perdemos no fogo: “um menino assassino, uma garota que arranca as unhas e os cílios na sala de aula, adolescentes que fazem pactos sombrios, amigos que parecem destinados à morte, mulheres que ateiam fogo em si mesmas como forma de protesto, casas abandonadas, magia negra, mitos e superstições”. Ou seja, prato cheio para quem gosta de boas doses de terror, fantasia e suspense

E como se os temas já não fossem intrigantes o suficiente, a escrita crua e objetiva de Mariana Enriquez faz com que as histórias se tornem ainda mais envolventes e, claro, assustadoras. Gostei muito de como a autora explora a loucura e faz com que o leitor entre na paranoia dos personagens. A única coisa que me incomodou nos contos de As coisas que perdemos no fogo é o fraco um pouco exagerado que a autora tem por finais inconclusivos, mas que não suscitam muitas reflexões. 

Título original: Las cosas que perdimos en el fuego
Editora: Intrínseca
Autor: Mariana Enriquez
Ano: 2014
Páginas: 192
Tempo de leitura: 6 dias
Avaliação: 3 estrelas

Anúncios

Resenha de A Cor Púrpura – Alice Walker

4a581312-a571-4efe-843b-214ff194c168.jpg

Por ser negra e pobre, Celie não leva uma vida fácil no sul dos Estados Unidos, na primeira metade do século 20. Durante a infância e a adolescência, foi abusada física e psicologicamente por aquele que chamava de pai. Mais tarde, foi separada de seus filhos e de sua irmã, Nettie. E adulta, continuou a sofrer repetidos abusos por parte do marido. Quando conhece a deslumbrante Shug Avery, no entanto, Celie vê tudo se transformar. E descobre que, se houver amor, a vida pode ser leve e deliciosa, ainda que não seja livre de dificuldades e tristezas.

Encontre o melhor preço de A Cor Púrpura

Eu gosto muito de livros que abordam a segregação racial e adoro narrativas epistolares. Por isso, sempre tive a certeza de que iria gostar de A Cor Púrpura, que rendeu a Alice Walker National Book Award e o Prêmio Pulitzer, em 1983. Mesmo assim, a obra me surpreendeu por retratar não apenas o racismo, como também o “estigma duplo” que as mulheres carregavam (e, infelizmente, ainda carregam) nesse contexto. Ou seja, além de sofrerem com o preconceito por serem negras, elas ainda eram vítimas de machismoabusos de todos os tipos por parte de seus pais, maridos e irmãos também negros.

Por meio de cartas que Celie escreve para Deus e para a irmã, A Cor Púrpura narra 40 anos de história da personagem. E é assim que Alice Walker explora por completo os sentimentos da protagonista, bons e ruins, tornando-os ainda mais intensos e palpáveis para o leitor. Gostei muito de como a autora manteve a dramaticidade e a gravidade da trama, mas também trouxe levezabeleza à história. Tudo na medida certa, tanto para emocionar, quanto para fazer sorrir.

A Cor Púrpura foi lançado em 1982, mas é extremamente atual. Por falar sobre racismo, sim, mas também por abordar o amor em todas as formas e retratar, como poucas obras, a tal da sororidade. No entanto, talvez a maior mensagem da obra de Alice Walker seja sobre a resiliência, que permite que as pessoas mudem, se adaptem e sempre encontrem razões e coragem para amar.

Título original: The Color Purple
Editora: José Olympio
Autor: Alice Walker
Ano: 1982
Páginas: 330
Tempo de leitura: 5 dias
Avaliação: 5 estrelas

Resenha de O Bazar dos Sonhos Ruins – Stephen King


O Bazar dos Sonhos Ruins reúne 20 contos de Stephen King, que, mais uma vez, mostra toda sua criatividadeversatilidade. A maioria das histórias é inédita no Brasil, no entanto, algumas foram reescritas para serem relançadas na coletânea. Antes de cada conto, o leitor pode se deliciar com as introduções escritas pelo próprio autor, em que ele conta um pouco sobre os “bastidores” de cada história: inspirações, alterações na trama, contextos… Enfim, prato cheio para os fãs de Stephen King!

>> Encontre o melhor preço de O Bazar dos Sonhos Ruins

Apesar de abordarem diversos temas e serem narrados com diferentes recursos, todos os contos têm o estilo inconfundível da escrita de Stephen King – ou seja, são capazes de aterrorizar, divertir e até emocionar! Sempre democrático, o autor não economizou na quantidade de assuntos abordados: vida após a morterealidade alternativa, criaturas misteriosas, dilemas morais, situações sobrenaturaissuperpoderes… Literalmente, de tudo um pouco!

Meus contos preferidos foram: A Duna, em que um homem descobre uma ilha onde nomes de pessoas que irão morrer em breve aparecem escritos na areia; UR, que fala sobre a existência de milhões de realidades alternativas – algumas bem assustadoras; Indisposta, um conto curto e sem muito propósito, mas com aquele final divertidamente aterrorizante; Obituários, que conta a história de um redator que descobriu o poder de assassinar pessoas ao escrever seus obituários (sim, com uma pegada totalmente Death Note); e Trovão de Verão, que retrata um cenário apocalíptico de maneira inquietante, porém sensível.

Outros contos que me chamaram a atenção foram Milha 81, que me lembrou bastante de CujoMoralidade, em que King coloca o conceito de moral (sempre presente em suas histórias) em perspectiva; e Vida após a morte, que, como o título já diz, especula sobre o que acontece depois que morremos. Enfim, O Bazar dos Sonhos Ruins tem todos os ingredientes principais das tramas assinadas por Stephen King. Ou seja, é boa leitura tanto para quem já ama o autor, quanto para quem quer conhecer um pouco sobre sua obra!

Título original: The Bazaar of Bad Dreams
Editora: Suma de Letras
Autor: Stephen King
Ano: 2015
Páginas: 527
Tempo de leitura: 8 dias
Avaliação: 4 estrelas

Veja mais livros de Stephen King

Resenha de Paris para um e outros contos – Jojo Moyes

Como o próprio título já denuncia, o livro reúne as short stories Paris para umLua de mel em Paris e oito pequenos contos assinados por Jojo Moyes. Quem acompanha o blog sabe que eu AMO a autora, por conta de Como eu era antes de você A Última Carta de Amor. Mas também deve lembrar que Jojo deixou um pouco a desejar com Um mais um Baía da Esperança. Por isso, não estava super animada para ler Paris para um e outros contos. No entanto, para a minha surpresa (e felicidade!) comecei o livro despretensiosamente e me empolguei tanto, que terminei-o em apenas um dia! É claro que o fato de eu já ter lido Paris para um contribuiu para que a leitura fosse mais rápida. Mas a verdade é que eu realmente adorei os contos, então, não teria demorado muito mais do que isso de qualquer forma.

>> Encontre o melhor preço de Paris para um e outros contos

Com exceção de Paris para um Lua de mel em Paris, os contos têm, no máximo, 10 páginas. E, apesar de serem curtinhos, todos são envolventes e apresentam dilemas morais passíveis de reflexão, do jeitinho que Jojo adora! Autoestima, dores e delícias da vida a dois, romantismo e até mesmo tecnologia e fama são outras temáticas abordadas pela autora. Entre os meus contos preferidos, estão Sapatos de couro de crocodiloO casaco do ano passadoA Lista de Natal.

E se o livro começa na capital francesa, com o previsível, porém fofo Paris para um, é lá também que a obra termina, com Lua de mel em Paris. A short story é perfeita para quem ama A garota que você deixou para trás, já que conta um pouco mais sobre os casais principais do livro, Liv e David e Sophie e Édouard. O conto não revela nada de bombástico sobre a trama, mas traz um retrato mais leve dos quatro personagens, antes de tragédias, guerras e caos. Enfim, Paris para um e outros contos é uma delícia de leitura, especialmente para quem adora Jojo Moyes!

Título original: Paris for one and other stories
Editora: Intrínseca
Autor: Jojo Moyes
Ano: 2016
Páginas: 281
Tempo de leitura: 1 dia
Avaliação: 4 estrelas

Veja mais livros de Jojo Moyes

selo2016

 

Resenha de Paris for one – Jojo Moyes

img_9700

Aos 26 anos, Nell não faz o tipo aventureira e nunca esteve em Paris. No entanto, quando encontra passagens de trem em promoção, ela não pensa duas vezes antes de convidar o namorado para ir à Cidade Luz. Mas será que o final de semana será tão romântico e especial quanto ela imaginou?

Eu já saiba da existência de Paris for one, mas nunca havia me dado ao trabalho de ir atrás do conto de Jojo Moyes. Eis que, durante a viagem à Florianópolis, encontrei o livro por míseros R$ 7 na Livraria Saraiva, e aí não tive motivos para resistir!

Pois bem, como já era de se esperar, Paris for one é um chick lit com direito a todos os ingredientes típicos. Para começar, Nell é a personagem padrão de livros do gênero: romântica incorrigível, um tanto previsível e com pitadas de ousadia e coragem, ainda que à sua maneira. Ou seja, não surpreende e não cativa, mas também não irrita.

Como quase todo chick litParis for one é previsível, mas também envolvente. Quem acompanha o blog sabe que, depois de ler MUITOS livros do gênero, dei uma enjoada. Então, o fato de que a short story tem apenas 95 páginas (e letras bem grandes) foi o segredo para que eu não cansasse da leitura. Apesar de tudo ser fofo e conveniente demais, a trama tem um bom ritmo e tudo acontece no timing certo. Pedida perfeita para respirar e suspirar um pouco depois de uma leitura mais densa.

Título original: Paris for one
Autor: Jojo Moyes
Ano: 2015
Páginas: 95
Tempo de leitura: 2 dias
Avaliação: 3 estrelas

Veja mais livros de Jojo Moyes

Resenha de Contos Peculiares – Ransom Riggs

Contos Peculiares é o livro dentro do livro que foi transportado para a vida real. Trata-se de uma compilação de lendas que fazem parte do universo peculiar de O lar da Srta. Peregrine para crianças peculiares e que foram reunidas por Millard Nullings. Não é segredo para ninguém que série da Srta. Peregrine não é das minhas favoritas e que as leituras dos três livros nunca foram fáceis e fluidas para mim. E exatamente por isso, Contos Peculiares foi uma verdadeira surpresa!

>> Encontre o melhor preço de Crianças Peculiares

Todos os contos foram criados por Ransom Riggs e realmente parecem o tipo de história que passamos de geração para geração. Ou seja, verdadeiras lendas. Os contos são curtinhos e super fluidos, mas todos contam com lições de moral poderosas. Ganância sem limites, preconceito, solidão, justiça com as próprias mãos, vergonha e o valor à aparência são apenas alguns dos assuntos abordados pelas tramas.

As minhas histórias preferidas foram Os Esplêndidos Canibais, que mostra como, muitas vezes, os bens materiais tomam o lugar de valores como a amizade e a humildade; A primeira ymbryne, que conta como surgiu a primeira fenda temporal; A mulher que era amiga de fantasmas, que mostra o desespero da solidão; e A menina que domava pesadelos, que retrata a subjetividade da justiça.

O projeto gráfico de Contos Peculiares é um espetáculo à parte. Assim como os outros volumes da série publicados pela Intrínseca, a obra tem capa dura (sem jacket) e realmente parece um livro antigo. A arte da capa é maravilhosa e tem tudo a ver com as histórias. E, para completar, o início de cada conto tem uma ilustração de Andrew Davidson.

Título original: Tales of the Peculiar
Editora: Intrínseca
Volumes da série: O lar da srta. Peregrine para crianças peculiares, Cidade dos EtéreosBiblioteca de Almas
Autor: Ransom Riggs
Ano: 2016
Páginas: 208
Tempo de leitura: 3 dias
Avaliação: 4 estrelas

selo2016