Resenha de O Sanatório – Sarah Pearse

Um resort de luxo nos Alpes Suíços seria o destino de férias dos sonhos de muitas pessoas – mas não para Elin Warner. No entanto, quando é convidada para celebrar o noivado do irmão, Isaac, não há outra alternativa a não ser embarcar na viagem.

Recebida por uma forte nevasca, Elin logo se sente incomodada com a atmosfera do resort, que foi construído no lugar de um sanatório abandonado. Para piorar a situação, na manhã seguinte à sua chegada, ela descobre que Laure, a noiva de Isaac, está desaparecida – e ela não é a única. Logo, a tempestade isola o hotel, seus hóspedes e também a pessoa responsável pelos crimes que rondam o local.

O cenário inegavelmente sinistro foi o que me fez querer ler O Sanatório. E, no início, Sarah Pearse não decepciona, explorando a morbidez do local com maestria e trazendo a frieza do espaço e do clima para a história. Mas, aos poucos, senti que o sanatório perdeu o protagonismo, se firmando como um pano de fundo realmente e não um “personagem-lugar”, que era o que eu esperava.

Como um thriller, porém, O Sanatório cumpre seu papel. O suspense é constante e sempre crescente, assim como a manipulação. Há também doses de dramas familiares, que aprofundam e enriquecem a trama. Mas, apesar de Elin ser uma personagem tridimensional e bem construída, seu arco não foi completamente convincente para mim.

Ao longo de quase 500 páginas, Pearse nos envereda por uma complexa trama de mistérios. E, até o desfecho, amarra a maioria das pontas soltas – ora surpreendendo, ora apenas confirmando o que já imaginamos. Mas eu estaria mentindo se dissesse que fiquei satisfeita com o final. Não pela resolução em si, mas pelo caminho que a autora escolheu seguir: reviravoltas demais e uma tentativa de abordar um tema importante, mas que, para mim, destoou do resto da história.

As opiniões que li me fizeram pensar que O Sanatório poderia ser genial. E não é. É um bom thriller, que com certeza vale ser lido. Mas, para mim, não passou disso.

Título original: The Sanatorium
Editora: Intrínseca
Autora: Sarah Pearse
Tradução: Marcelo Schild Arlin
Publicação original: 2021

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s