Resenha de Sangue ruim – E. O. Chirovici

Um thriller sobre a inexistência da verdade e a fragilidade das lembranças.

Joshua Fleischer não tem muito tempo. Mas, antes de tudo acabar, ele precisa descobrir a verdade sobre um episódio que o assombra. O ano era 1976 quando Joshua acordou em um quarto de hotel em Paris e encontrou uma uma mulher morta. O grande problema é que, 40 anos depois, ele ainda não tem nenhuma lembrança sobre o que realmente aconteceu. Seria Joshua um assassino?

Para entender os acontecimentos daquela noite, ele procura James Cobb, um renomado psicólogo e especialista em recuperar memórias por meio da hipnose. Juntos, os dois embarcam em uma jornada pelas lembranças, versões e verdades relativas de Joshua. E quando percebe, James está tão preso na misteriosa teia de acontecimentos quanto seu paciente.

Sangue ruim se enquadra no que se tornou o meu estilo favorito de thriller: aquele que nos envolve em mistérios e surpresas, mas que também propõe reflexões e questionamentos. Afinal, a história de Joshua Fleischer pode parecer específica – e é -, mas não é difícil se conectar a ela se você, em algum momento, já questionou suas verdades e lembranças.

Ao acompanharmos as investigações de Cobb em primeira pessoa, somos levamos por um labirinto de informações, que se conectam e desconectam todo o tempo. Então, preparem-se para muita manipulação e inúmeras teorias! Em alguns momentos, a narrativa de E. O. Chirovici se tornou um pouco confusa para mim, mas nada que comprometa a história e as revelações que ela traz.

Com a proposta de dissecar a mente humana respaldado por conceitos da psicologia, Sangue Ruim inevitavelmente me lembrou de A Paciente Silenciosa – embora a obra de Alex Michaelides tenha sido lançada quase um ano depois. Além da verdade e da memória, Chirovici também explora consciência e culpa. Afinal, culpado ou não do ponto de vista legal, Fleischer é condenado pela própria consciência.

Uma trama intrigante e inteligente, Sangue Ruim brinca com a integridade das nossas lembranças e nos desafia a assumir que nossas verdades nada mais são do que versões da realidade. Você está pronto para encarar?

Título original: Bad Blood
Editora: Record
Autor: E. O. Chirovici
Tradução: Carolina Simmer
Publicação original: 2018

Parceria paga com Editora Record

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google photo

Está a comentar usando a sua conta Google Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s