Resenha de A Segunda Vida de Missy – Beth Morrey

Missy Carmichael vive sozinha na casa em que construiu sua família. Mas as lembranças deixaram de ser conforto para se tornarem lembretes de tudo o que ela já não tem mais. Aos 79 anos, Missy está dividida entre aceitar a solidão e desejar a companhia. Mas será que ainda há tempo para uma segunda chance, uma segunda vida?

Eu confesso: a capa de A Segunda Vida de Missy me enganou completamente. Esperava uma história leve e fofa, pontuada por reflexões pertinentes, como A Troca, de Beth O’Leary. Mas a obra de Beth Morrey é muito mais densa e reflexiva, e eu diria que até melancólica – o que, já adianto, funcionou muito bem para mim.

Quase palpável, a solidão de Missy é de partir o coração. Ainda mais porque ela realmente acredita que estar sozinha seja uma punição justa pelos erros e arrependimentos que carrega. Aos poucos, conhecemos o passado da protagonista e passamos a compreender muitos de seus medos, frustrações e anseios. Enxergamos os porquês de seu comportamento defensivo e de tanta auto sabotagem. E então, nosso coração se parte mais uma, duas, três e incontáveis vezes.

A Segunda Vida de Missy também nos faz pensar sobre maternidade e, claro, o envelhecimento. Como lidar com tudo o que foi feito e também o que não foi? Como não se afogar diante da saudade de tudo e todos que já não existem mais? E principalmente, sabendo que o tempo é mais finito do que jamais foi, como acreditar que ainda vale a pena tentar mudar?

Não poderia deixar de mencionar a estrela do livro: Bobby, a cachorrinha que, de certa forma, presenteia Missy com sua segunda vida. Só quem já teve um animal de estimação sabe como é puro o amor que sentimos por eles. Como é libertador amar sem reservas. Apenas amar, sem esperar nada em troca. E ainda assim, receber tanto de volta. E, não por acaso, é esse o sentimento que abre as portas no coração de Missy, tornando-a capaz de amar os outros e a si mesma novamente – ou pela primeira vez.

Sem transformações mágicas ou epifaniasA Segunda Vida de Missy é dor, mas também é cura. E se tem algo que Missy nos ensina é: sempre é tempo de viver se estivermos dispostos também a amar.

Título original: Saving Missy
Autora: 
Beth Morrey
Tradutora: Vera Ribeiro
Editora: Intrínseca
Publicação original: 2020

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google photo

Está a comentar usando a sua conta Google Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s