Resenha de Controle – Natalia Borges Polesso

Uma queda de bicicleta e tudo se transforma.

Depois de um acidente na pista de “bici”, Maria Fernanda tem sua primeira crise de epilepsia. A partir de então, ela redescobre sua existência, agora definida e limitada pela condição. Sob a superproteção dos pais, Nanda passa a viver reclusa e a evitar contato humano – com exceção de sua melhor amiga, Joana.

Os anos se passam, e Nanda deixa de ser a adolescente interrompida pela epilepsia para se tornar uma mulher ainda mais definida por ela. A passagem do tempo fica clara pela evolução da vida dos poucos amigos da protagonista. E é ao vê-los ser e viver que Nanda percebe o quanto está apenas assistindo à vida, enquanto ela passa entre os intervalos de uma crise e outra.

Pode parecer que sim, mas Controle não é um livro sobre epilepsia. É sobre qualquer coisa que pareça ser maior do que nós. E por isso é fácil se identificar com os sentimentos e questionamentos de Nanda. A obra de Natalia Borges Polesso é também um retrato do coming of agecom as dificuldades comuns do processo somadas àquelas que a condição traz. É também um dedo apontado à falta de empatia e até mesmo à crueldade, que levam Nanda, e tantos de nós, a se fechar em si mesma.

música britânica dos anos 1970/1980 é o fio condutor de Controle. A começar por Ian Curtis, vocalista do Joy Division, que também era epilético. Após seu suicídio, os membros da banda formaram o New Order, que aparece na trama como um personagem. Trechos de faixas da banda permeiam a narrativa de Controleexpressando com exatidão os sentimentos de Nanda. A escrita de Natalia, aliás, é uma COISA! Descontraída, porém intensa e profunda, e com um ritmo que embala. É como ouvir música!

Com um desfecho de múltiplos significadosControle não é sobre o fim, é sobre a jornada. E é bonito ver Nanda se descobrir além das necessidades e entrar em contato com seus desejos – especialmente em relação a Joana.

E quando a leitura chega ao fim, percebemos que falamos sobre o controle que temos sobre nós e os outros, e os outros sobre nós. Mas, principalmente, sobre o controle que às vezes falta. E o quanto isso também pode ser bom.

Título originalControle
Autor: Natalia Borges Polesso
Editora: Companhia das Letras
Ano: 2019

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google photo

Está a comentar usando a sua conta Google Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s