Semana especial Liane Moriarty: os outros livros da autora

Semana Especial Liane Moriarty começou ontem, com a resenha de O que Alice esqueceu. Hoje, o assunto são os outros livros (incríveis!) da autora! Para falar sobre eles, fiz um resumão das resenhas que já publiquei aqui no blog, com as sinopses e as conclusões sobre a leitura! Mas já adianto que vale a pena ler todos <3

O SEGREDO DO MEU MARIDO
Cecilia Fitzpatrick pode ser considerada a dona de casa ideal: mãe de três meninas, Isabel, Esther e Polly, e esposa de John-Paul, ela se divide entre o emprego de consultora da Tupperware, a presidência da Associação de Pais da Escola e diversas tarefas do dia a dia. Sempre alegre e prestativa, Cecilia parece levar a vida perfeita. Mas tudo pode mudar quando ela encontra uma carta de John-Paul, que contém um grande segredo e só deve ser aberta na ocasião da morte dele.

Rachel Crowley convive com o peso da morte da filha, Janie, assassinada quando ainda era adolescente, e não se conforma com o fato de que, quase 30 anos depois do ocorrido, ainda não sabe quem foi o responsável pelo crime. Viúva, Rachel é também mãe de Rob, de quem não é exatamente muito próxima, enquanto o neto, Jacob, é a única alegria de sua vida. No entanto, até mesmo isso está prestes a ser tomado de Rachel: Rob e a esposa, a executiva Lauren, estão de mudança para Nova York.

Tess O’Leary é casada com Will, com quem tem o pequeno Liam, e acredita levar uma vida familiar exemplar. No entanto, quando o marido e Felicity, prima e melhor amiga de Tess, anunciam que estão apaixonados, o mundo parece desmoronar. Com a desculpa de cuidar da mãe, que está com o tornozelo quebrado, em Sidney, Tess deixa Melbourne, Will e Felicity para trás. Traumatizada pelo divórcio dos próprios pais, ela precisa descobrir se vale a pena manter o casamento pela felicidade de Liam.

Na época em que O Segredo do Meu Marido foi lançado, eu nem me interessei pela história. Achei que seria mais um romance qualquer. Para a minha sorte, a Intrínseca me enviou o exemplar e, então, decidi ler. E que surpresa!! Enquanto eu lia, achei que sabia mais ou menos o que iria acontecer no final. No entanto, fui completamente pega de surpresa por uma reviravolta enorme. Se o livro tivesse terminado como eu previa, já teria valido muito a pena pela amarração dos fatos e personagens. Mas o desfecho criado por Moriarty tornou a história ainda mais incrível. A obra acabaria bem aí, no entanto, um epílogo traz surpresas ainda maiores e incita reflexões interessantes não apenas sobre as histórias de Rachel, Cecilia e Tess, mas também a nossa própria.

PEQUENAS GRANDES MENTIRAS
Pequenas Grandes Mentiras narra as histórias de três mulheres que moram em Pirriwee, na Austrália, e cujas vidas se conectam de maneira inesperada – mas que irá trazermudanças drásticas e definitivas para todas elas. Madelineestá em seu segundo casamento, é mãe de três filhos, adora se vestir bem e não perde a chance de entrar em uma briga. Quando Nathan, o ex-marido, se muda para Pirriwee com a nova – e impossível de odiar – esposa e reconquista a filha que abandonou muitos anos antes, Madeline vê a oportunidade perfeita para criar um confronto.

Celeste é dona de uma beleza estonteante e forma o casal perfeito com Perry. Ela parece viver em seu próprio mundo, o que é totalmente compreensível, já que é mãe de um par de gêmeos hiperativos. No entanto, pode ser que a verdade por trás do temperamento aéreo de Celeste seja, na verdade, um segredo impossível de revelarJane, por sua vez, é uma jovem mãe solteira que se muda para Pirriwee com o filho, Ziggy, em busca de um recomeço. Logo, ela é acolhida por Madeline e Celeste, que nem imaginam como a presença de Jane e Ziggy irá mudar toda a dinâmica da pacata comunidade.

Se O Segredo do Meu Marido me revelou uma autora incrível, Pequenas Grandes Mentiras me fez ter a certeza de que ela merecia estar entre minhas favoritas! Além de criar um suspense muito bem amarrado e manipular o leitor, Liane Moriarty ainda foi capaz de surpreender com uma reviravolta final que eu, sinceramente, não imaginei. Uma mistura perfeita entre chick lit, suspense e thriller, que explora como as pequenas mentiras que contamos a nós mesmos podem nos ajudar a sobreviver, mas também podem nos destruir.

ATÉ QUE A CULPA NOS SEPARE
Amigas desde a infânciaClementine e Erika sempre foram opostos: enquanto a primeira cresceu em uma família bem-estruturada, a segunda teve que aprender, desde cedo, a lidar com as questões da mãe acumuladora. Depois de adultas, as diferenças se mantiveram, e a vida sem filhos e extremamente organizada de Erika não poderia contrastar mais com a rotina quase caótica de Clementine, que se tornou violoncelista mãe de duas meninas. A amizade das duas sempre foi frágil e peculiar. No entanto, depois de um inocente churrasco que se torna palco de uma proposta delicada e de uma tragédia anunciada, a relação das duas é, mais do que nunca, colocada à prova.

É verdade que Até que a culpa nos separe foi menos do que eu esperava. Mas o que sempre faz a leitura de Liane Moriarty valer a pena é a habilidade que ela tem de criar personagens tridimensionais e histórias muitos bem amarradas. Também gosto muito de como a autora traz elementos do chick lit (no caso, maternidade e vida a dois) para suas obras, mas de uma maneira realista. Apesar de não ter me cativado enquanto trama, Até que a culpa nos separe tem seu valor, por fazer refletir sobre como a culpa transforma as pessoas e, consequentemente, as relações.

Veja mais posts da Semana Especial Liane Moriarty

One comment

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google photo

Está a comentar usando a sua conta Google Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s