Resenha de O Rouxinol – Kristin Hannah

Após a morte prematura da mãe, Vianne e Isabelle são obrigadas a deixar a casa do pai, em Paris. Uma é tudo o que a outra tem, até que Vianne se apaixona por Antoine, com quem logo se casa e tem Sophie. Completamente sozinha, Isabelle se torna uma jovem contestadora e audaciosa. Quando a Segunda Guerra Mundial estoura e os nazistas invadem a França, as duas irmãs seguem caminhos completamente diferentes, mas que compartilham do mesmo combustível: o amor.

Abandonada por todos que amava, Isabelle transformou sua dor em força e coragem. Durante a guerra, fez absolutamente tudo o que pôde para salvar o seu país. Foi impulsiva e inconsequente e, por vezes, colocou a irmã e a sobrinha em perigo. Mas lutou com a determinação que poucos têm. Vianne só desejava proteger Sophie da dura realidade – sem saber que, na verdade, isso era simplesmente impossível. E, com nazistas vivendo sob seu teto, descobriu sua própria maneira de lutar.

O Rouxinol é sobre a guerra que aconteceu dentro da guerra: a que foi travada pelas mulheres. Elas que, sozinhas e duplamente oprimidas, mantiveram suas famílias; que foram obrigadas a conviver com o inimigo dentro de suas próprias casas; que derrubaram paradigmas para se unir à Resistência; que também foram para campos de concentração e morreram de tanto trabalhar. Mulheres que usaram toda sua força para sobreviver a uma guerra que nunca foi delas. E, dadas as devidas proporções, será que não é assim até hoje?

Além de todo o contexto histórico, O Rouxinol traz muito sobre o amor e a família. Foi um privilégio ver a jornada de Isabelle e a evolução de Vianne, que, juntas e separadas, descobriram que uma era a parte que faltava na outra. A relação do pai com as filhas (especialmente Isabelle) mostrou que todos temos nossas guerras particulares, que quebram partes invisíveis dentro de nós. Nos devastam e transformam para sempre.

escrita de Kristin Hannah foi outro ponto que me encantou em O Rouxinol. Apesar de minucioso, o texto da autora nunca é cansativo ou excessivo. E é a riqueza de detalhes, aliás, que faz com que o leitor mergulhe ainda mais na história e compartilhe cada parte dela com os personagens. Apesar de tratar de um assunto que inúmeros livros já falaram sobre, a obra de Kristin Hannah se destaca por trazer a Segunda Guerra Mundial sob o ponto de vista das mulheres. E isso faz com que nós, leitoras, nos conectemos ainda mais profundamente com a história!

Ler O Rouxinol foi doloroso. Por assistir a tantas perdas e perceber que nem todas são causadas pela morte. Por saber que tantas Isabelles e Viannes realmente existiram. Mas foi também uma experiência redentora. Porque O Rouxinol não é uma história sobre a guerra. E também não é sobre o amor. É sobre o amor em tempos de guerra, porque todo tempo é tempo de amor.

Título original: The Nightingale
Editora: Arqueiro
Autor: Kristin Hannah
Ano: 2015
Páginas: 432
Tempo de leitura: 7 dias
Avaliação: 5 estrelas

Anúncios

6 pensamentos sobre “Resenha de O Rouxinol – Kristin Hannah

    1. Fui “obrigada” pelas minhas amigas a ler esse livro! E ainda bem que elas fizeram isso, porque é um livro incrível – ainda mais para quem, como eu, adora histórias que se passam durante a SGM!
      Espero que goste se ler!
      Beijos

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

w

Connecting to %s