Resenha de Suicidas – Raphael Montes

Como a mãe de Alê sempre foi muito amiga dos pais de Zak, os dois meninos cresceram juntos. Ao longo do tempo, Alê se transformou em um ambicioso aspirante a escritor, enquanto Zak incorporou o típico playboy garanhão. Apesar das diferenças, no entanto, os dois continuaram bons amigos, até o dia em que foram encontrados mortos ao lado de mais sete pessoas. O estado dos corpos indica que os jovens participaram de um perigoso jogo de roleta russa, mas a polícia não irá desistir enquanto não descobrir a verdade por trás do aparente suicídio coletivo.

>> Encontre o melhor preço de Suicidas

Minha estreia com Raphael Montes aconteceu com Dias Perfeitos, que é bom, mas não incrível. E desde então, algumas pessoas comentaram que Suicidas, o primeiro livro do autor, era muito melhor. Dito e feito! Relançada pela Companhia das Letras com um capítulo a mais, a obra tem todos os ingredientes típicos de Raphael Montes: a crítica social, por meio das crônicas da alta sociedade do Rio de Janeiro; os detalhes sórdidos (ou seja, se você tem estômago fraco, pode desistir); e, claro, a dissecação do lado mais sombrio da mente humana.

Suicidas é narrado em três diferentes formatos e perspectivas: por meio dos registros de Alê; das anotações, também feitas por Alê, que contam o que exatamente aconteceu no dia do suicídio coletivo; e da transcrição da reunião das mães das vítimas com a delegada. Dessa forma, Raphael Montes não apenas prende e manipula o leitor, como também faz com que ele vivencie todos os lados da história. Todos os capítulos contam com grandes revelações e, aos poucos, os acontecimentos vão se conectando. Os trechos que narram o “Dia D” são, obviamente, os mais instigantes e o formato me lembrou bastante o de Battle Royale (quem já leu vai entender o porquê).

Mais uma vez, Raphael Montes foi capaz de construir personagens tridimensionais e extremamente reais. Os dilemas morais e a dubiedade de Alê me lembraram bastante de Dante, o protagonista de Jantar Secreto, o que é também um dos pontos altos de Suicidas (só não vou comentar sobre os outros para não correr o risco de dar spoiler). E embora seja indiscutivelmente um thriller, a trama também aborda com responsabilidade outros pontos pertinentes, como a homossexualidade (e, consequentemente, a homofobia e o preconceito) e as relações em família, principalmente entre mães e filhos. O suicídio, claro, é o ponto central da história, mas, mais do que cenas sangrentas, rende a reflexão acerca da “epidemia” que parece apenas crescer nos últimos tempos.

Título original: Suicidas
Editora: Companhia das Letras
Autor: Raphael Montes
Ano: 2012
Páginas: 342
Tempo de leitura: 3 dias
Avaliação: 5 estrelas

Anúncios

2 pensamentos sobre “Resenha de Suicidas – Raphael Montes

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s