[OFF] Paradisíaca Florianópolis

Como contei no post sobre Rosário, na Argentina, não cresci com o hábito de viajar. Por isso, minha primeira viagem de verdade foi aos 23 anos, em 2010 – pausa dramática para expressão de choque e piedade. Não sei exatamente o porquê (já que não sou de praia), mas eu tinha muita vontade por conhecer Florianópolis e Balneário Camboriú. E assim foi! Confesso que, quando fiz aquela série de posts [OFF] sobre viagens, queria ter escrito um “guia” sobre a Ilha da Magia. Mas minhas fotos estavam tão ruins (minha câmera estava desregulada. DÃ!), que acabei desistindo.

img_8573
Calçadão da Avenida Beira-Mar Norte

Como meu namorado está de férias, mas eu não, tínhamos poucos dias para viajar. Então, pensamos em voltar a Buenos Aires. Como já conhecemos a capital argentina, não teria aquela “pressão” de primeira vez. Mas, graças aos preços exorbitantes das passagens, abortamos a missão. Então, pensamos em repetir Montevidéu, no entanto, também desistimos por motivos de abuso das companhias aéreas. Foi quando pensamos “por que não voltar a Florianópolis?”. Então, agora com fotos melhores, aqui vai um humilde roteiro sobre a Ilha da Magia (com adendos sobre nossa primeira viagem para lá)!

O HOTEL

img_8968
A incrível piscina do hotel

Da primeira vez que fomos a Florianópolis, ficamos hospedados próximo ao centro da cidade. Para ser diferente, pensei em escolher um hotel mais pé na areia desta vez. Mas, como eu disse lá em cima, eu não sou de praia e acabei não amando nenhuma opção (e para mim o hotel é uma parte muito especial da viagem, haha!). Como eu amei o Majestic Palace, nosso hotel na primeira passagem, decidi não correr riscos e escolhê-lo novamente! O Majestic fica na Avenida Beira-Mar Norte, mas não se deixe enganar pelo endereço, porque a praia não é própria para banho. Por mim, não tem o menor problema. Até porque a orla é linda e ideal para caminhadas, corridas, passeios de bicicleta, patins e skate. A paisagem é maravilhosa, perfeita para fotos, e ao longo do calçadão tem vários espaços para sentar e contemplar a vista.

unnamed

Sobre o hotel, não tenho do que reclamar! Os quartos são super confortáveis, o café da manhã conta com muitas opções e a localização é ótima. Do outro lado da rua, está o Shopping Beira-Mar, onde tem um supermercado e restaurantes como Outback e Madero. Outras alternativas de lugares legais para comer por perto são o Burger Lab, a Cervejaria Original e a tradicional Sanduicheria da Ilha, que ficam a uma rua de distância do Majestic. O hotel também conta com um spa (não conseguimos ir por falta de agenda, então deve ser bom, haha), duas jacuzzis e uma piscina de borda infinita de tirar o fôlego!!!

img_8893

LOCOMOÇÃO
Se Florianópolis tem um defeito, este é: a ilha é tão grande, que as praias ficam muito longe uma das outras, o que torna praticamente impossível conhecer tudo em poucos dias. Não experimentei andar de ônibus pela cidade, então minha dica é caminhar por onde for possível, contratar passeios e arcar com os custos do táxi (prefira os executivos que alguns hotéis oferecem).

DIA 1: CENTRO DA CIDADE

img_8816
Ponte Heríclio Luz

Nós chegamos na terça-feira à noite, então o primeiro dia oficial em Florianópolis foi a quarta-feira. Caminhamos até a rodoviária (pois queríamos nos informar sobre passagens para Blumenau), passeando por toda a beira-mar e chegando à Ponte Hercílio Luz, um dos cartões postais da capital catarinense. A rodoviária fica próximo ao centrinho, então aproveitamos para almoçar deliciosos pastéis de camarão em um restaurante do Mercado Municipal. Depois, caminhamos até a Praça XV de Novembro, que já havíamos conhecido da outra vez.

DIA 2: BAÍA DOS GOLFINHOS E FORTALEZAS

img_8954

No segundo dia, decidimos fazer o passeio de barco com a empresa Scuna Sul (R$ 75 por pessoa). A programação dura cerca de 8 horas, começando às 10h30, e inclui a Baía dos Golfinhos (+ almoço) e a visita a duas fortalezas. O embarque é feito próximo à Ponte Hercílio Luz – nós fomos a pé, mas é super rápido se quiser pegar um táxi. Admito que a minha maior motivação para fazer o passeio foi a possibilidade de avistar golfinhos (nem fiquei influenciada por Baía da Esperança), o que acabou não acontecendo. No entanto, fiquei boquiaberta com a paisagem!

img_8950

img_8756

img_8949

Durante o passeio, avistamos quatro fortalezas, mas paramos em apenas duas. Achei as construções históricas muito bonitas de longe, mas confesso que não estava particularmente animada em visitá-las. Até que desembarcamos na Fortaleza de Santa Cruz de Anhatomirim e, de novo, fiquei de queixo caído! A construção data de 1739 e oferece uma vista simplesmente incrível! Sem falar em toda a mística envolvida no ato de “explorar” (tem até canhões!!) algo que foi construído há tanto tempo!

img_8962

img_8961

A Fortaleza de São José da Ponta Grossa, construída em 1740, foi nossa segunda parada. Novamente, a vista é maravilhosa, mas o que mais me chamou a atenção no local foi a construção em alvenaria de pedra. A única parte complicada é subir a rampa que leva à Fortaleza: também feita de pedra, não é nada confortável –  e olha que eu estava de All Star, haha!

img_8963

img_8763

Para entrar nas fortalezas, é preciso pagar a taxa cobrada pela UFSC, responsável pela manutenção das construções. Mas são apenas R$ 10 por pessoa (para as duas fortalezas) e vale muito a pena!

DIA 3: BLUMENAU, BRUSQUE E SÃO JOÃO BATISTA
Em 2004, durante uma aula de inglês, vi algumas fotos de Blumenau e me apaixonei pela arquitetura alemã! Quando fomos a Florianópolis em 2010, também tínhamos poucos dias e eu optei por conhecer Balneário Camboriú. Então, desta vez, eu sabia que era hora de ir a Blumenau! Cogitamos ir de ônibus por conta, mas achamos que o passeio oferecido pela empresa Itaguasul era mais vantajoso e seguro: R$ 70 por pessoa, com guia de turismo e paradas em Brusque e São João Batista.

img_8813

O passeio começa cedinho (8h) e a van busca os turistas nos respectivos hotéis. Depois de pouco menos de 2h de viagem, chegamos a Blumenau e fizemos a primeira parada na entrada da cidade, onde já tem exemplares da arquitetura enxaimel. Depois, passamos pelo centro, onde está o Museu da Cerveja e o Mausoléu da família Blumenau. Em seguida, visitamos o prédio onde fica a prefeitura da cidade, que acabou sendo o que mais me encantou!

unnamed-1
Vila Gêrmanica

Para almoçar, fomos à famosa Vila Germânica, onde os turistas encontram lojas de souvenir, restaurantes, cafés e, claro, mais um pouco da arquitetura alemã. É tudo muito fofo, sim, mas confesso que esperava que o local fosse maior e tivesse ainda mais construções típicas da cidade. Para fechar a etapa Blumenau do passeio, passamos pela Catedral São Paulo Apóstolo. Não sou fã de igrejas, mas a construção é realmente muito bonita e imponente. Vale a visita.

Depois, seguimos para Brusque, que fica pertinho de Blumenau e é famosa pelas malhas e pelos serviços têxteis. Se eu fazia questão de visitar a cidade? Não. Se fui surpreendida? Sim! Tínhamos 2 horas para passear pela FIP, a feira permanente de moda de Brusque, e a princípio achamos que era tempo demais. Até que começamos a andar pelas lojas e nos empolgamos, haha! Nosso melhor achado foi a Reifel Confecções, onde encontramos moletons (aqueles super confortáveis de ficar em casa, sabe?) por R$ 18! Só isso já fez o passeio valer a pena!

São João Batista é famosa pela produção de calçados e foi a nossa última parada. Só passamos por uma loja, que foi bem decepcionante. Nada muito interessante e tudo muito caro.

DIA 4: PASSEIO POR FLORIANÓPOLIS E ALMOÇO NA PRAIA DA BARRA DA LAGOA

img_8965

img_8829

Eu sou completamente apaixonada por camarão e Florianópolis oferece os melhores. Então, no sábado, que era um “dia livre”, decidimos repetir a deliciosa sequência de camarão que comemos em 2010, na Praia da Barra da Lagoa. Como fica longe do centro da cidade, decidimos pegar um táxi executivo (oferecido pelo hotel e com preço fixo) e já adianto que não é barato: foram R$ 60 para ir e mais R$ 60 para voltar. Mas o lado bom foi conhecer mais um pouco da ilha, passando rapidamente por lugares como a Praia Mole, a Praia da Joaquina e a Lagoa da Conceição.

img_8967

Fomos ao mesmo restaurante de 2010, o Dois Irmãos, que fica à beira da praia, e a sequência de camarão estava tão deliciosa e bem servida quanto me lembrava. O investimento foi de R$ 99,90, mas cada centavo vale a pena – até porque é bem menos do que se pagaria para dois em alguns restaurantes de São Paulo ou no Rio de Janeiro. Depois do almoço, curtimos um pouco a praia, que é um verdadeiro cartão postal! Por lá, também fica o Projeto Tamar, que deve ser uma experiência super legal, especialmente para as crianças.

img_8853

ADENDOS DA PRIMEIRA VIAGEM

Em 2010, éramos jovens e inexperientes (haha!) e preferimos a segurança de viajar com uma agência de turismo – no caso, a CVC. Por lá, fizemos o city tour, que inclui o centro da cidade, visita a alguns mirantes e lojinhas, uma rápida parada na Praia da Joaquina, o almoço na Praia da Barra da Lagoa e passadas de carro por Jurerê Internacional e pela Praia dos Ingleses. Se recomendo? Para quem não quer se aventurar sozinho ou prefere ver de tudo um pouco, sim. Mas, hoje, depois de alguma experiência como turista, sugiro escolher alguns pontos para explorar mais. E para quem gosta mesmo de praia, lugares como Canasvieiras e Campeche recebem muitos elogios.

Como contei lá em cima, em 2010, fizemos o passeio para Balneário Camboriú, que eu queria muito conhecer. A cidade fica pertinho de Florianópolis e tem um visual incrível! A Praia de Balneário Camboriú é, claro, parada obrigatória. Mas nós também fomos no Parque Unipraias, que dá acesso à Praia de Laranjeiras por meio do teleférico, que, por ser super alto, oferece uma vista panorâmica maravilhosa! Para curtir ainda mais o passeio, comemos porções de camarão (obviamente!!) e lulas à beira-mar. Depois, fomos no Parque Unipraias, onde visitamos o Parque Ambiental e andamos de Youhoo, uma espécie de trenó que passa pelo meio da mata – e que eu adorei, hahaha!

E para ninguém dizer que não falamos sobre livros… Antes de viajar, fiz um post sobre leituras de viagem – e sobre como sou péssima leitora quando estou fora de casa. Mas, desta vez, li praticamente o livro (que era o Biblioteca de Almas) inteiro durante a viagem!

img_8891

Espero que tenham gostado do mini-guia de Florianópolis <3

Anúncios

4 pensamentos sobre “[OFF] Paradisíaca Florianópolis

  1. Opa! Muito útil esse guia aí!
    Eu não terei tanto tempo quanto vc na minha viagem… Vou chegar no final da tarde na quinta, acho que dá pra aproveitar um pouco o centro, talvez. Aí terei sexta e sábado inteiros, no domingo meu voo já é logo depois do almoço.
    Quero muito fazer esse passeio de barco, mas não sei o que vamos fzr no outro dia… Como não estou sozinha, tem q ser uma decisão conjunta, mas provavelmente visitaremos praias. Espero q esteja calor!

    Obrigada pelo post… E as fotos ficaram lindas!!
    Beijos!!

    1. Já imprime pra levar com você, haha!
      Bom, como te falei aquele dia, o passeio de barco é realmente muito legal! Agora, para quem gosta de curtir praia, tem opções mais interessantes.. Mas, como você vai ter dois dias inteiros, quem sabe não dê pra fazer as duas coisas?
      Beijos!

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s