Resenha de O Grande Gatsby – F. Scott Fitzgerald

img_8333

Quando se muda para West Egg, em Long Island, Nick Carraway se torna vizinho e, posteriormente, amigo de Jay Gatsby. Herói de guerra, Gatsby é conhecido pela fortuna e pelas festas, no entanto, a origem de sua riqueza é motivo de mistério e especulações sobre seu passado. Carraway é primo de Daisy Buchanan e logo descobre que ela e Gatsby tiveram uma história de amor, que terminou mal resolvida, antes da Primeira Guerra Mundial.

>> Encontre o melhor preço de O Grande Gatsby

Sempre comento por aqui que clássicos não são as minhas leituras favoritas. Mas confesso que tenho um fraco pelo glamour decadente dos anos 20 e, por isso, sempre tive interesse em ler O Grande Gatsby. No entanto, por ser uma obra muito conceituada, sempre tive a ideia errônea de que a leitura seria densa e até difícil. Até que uma amiga (que ama clássicos, mas também conhece bem meu gosto literário) me garantiu que eu gostaria do livro de F. Scott Fitzgerald. Então me animei de vez e decidi me aventurar no mundo dos clássicos.

O Grande Gatsby é envolvente e intrigante desde a primeira página. Logo, somos apresentados não a Jay Gatsby, mas sim a toda a mística que envolve o protagonista. Assim como os outros personagens, não sabemos o que é verdade e o que é mentira sobre seu passado, o que torna a leitura ainda mais interessante. Não demora muito e fica claro que, vítima de boatos maldosos ou não, Gatsby está longe de ser o mais equilibrado dos homens. E mesmo com o comportamento dúbio e por vezes até sinistro, o protagonista é cativante de uma maneira única.

Longe de ser monótona, a leitura de O Grande Gatsby conta com reviravoltas inesperadas. No entanto, também não pode ser considerada frenética. É possível dizer que cada acontecimento determinante acontece na hora certa, atendendo às expectativas do leitor, ao mesmo tempo em que o surpreende. Dá para entender? Por isso, a tensão velada está presente durante toda a leitura, criando uma série de mini-clímax. O glamour decadente do período pós-Primeira Guerra Mundial é uma ironia por si só e F. Scott Fitzgerald a leva para todo o desenvolvimento da trama.

Lealdade, traição, glamour, ostentação, reviravoltas, covardia, egoísmoO Grande Gatsby tem tudo isso e mais um pouco. No entanto, a verdade é que o clássico de F. Scott Fitzgerald nada mais é do que um livro sobre um caso de amor obsessivo, contado por Nick Carraway, um narrador que não é onipresente, mas transmite com perfeição cada nuance da história de Gatsby e Daisy.

Título original: The Great Gatsby
Editora: Penguin Companhia
Autor: F. Scott Fitzgerald
Ano: 1925
Páginas: 249
Tempo de leitura: 5 dias
Avaliação: 4 estrelas

Anúncios

2 thoughts on “Resenha de O Grande Gatsby – F. Scott Fitzgerald

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s