Resenha de O Regresso – Michael Punke

Em 1823, o experiente e competente caçador Hugh Glass é atacado por um urso-cinzento durante uma expedição da Companhia de Peles Montanhosas pelos Estados Unidos. Entre a vida e a morte, Glass se torna um fardo para seus companheiros e acaba sendo abandonado e roubado pelos dois caçadores que ficaram responsáveis por lhe proporcionar um funeral digno. Contra todas as chances e expectativas, Glass sobrevive e passa a ser movido pela sede de vingança.

>> Encontre o melhor preço de O Regresso

A sinopse de O Regresso não faz muito o meu estilo, mas, com todo o burburinho em torno da atuação de Leonardo DiCaprio na adaptação do livro, acabei ficando curiosa para ler a história. Não me arrependo de ter caído em tentação, mas também não vou esconder o fato de que a leitura foi arrastada e, às vezes, cansativa. Isso porque, embora muito rica e bem estruturada, a escrita de Michael Punke é super descritiva, o que impediu que eu me envolvesse mais com a trama. No entanto, essa é uma característica minha como leitora e talvez outras pessoas apreciem esse aspecto do livro.

Quem já assistiu ao filme comentou sobre os detalhes sangrentos da história e posso dizer que, na obra original, Punke também não economiza quando o assunto é violência, sangue e mutilação. A narração é em terceira pessoa sob o ponto de vista de vários personagens e, em todos, fica claro que Hugh Glass não é apenas um homem durão e exímio caçador. Ele é também – e principalmente – extremamente forte, inteligente e obstinado, o que faz com que toda a jornada faça ainda mais sentido.

O Regresso foi inspirado em fatos reais, mas é claro que muito da história pode ser ficção e beirar à fantasia – como o próprio autor menciona ao final do livro. E confesso que, assim como tudo parece dar errado para Glass em alguns momentos, em outros, tudo parece dar certo demais e de maneiras quase improváveis. Mas nada que comprometa ou empobreça a trama, pelo contrário: tudo isso apenas reforça o tom épico da obra de Michael Punke. E, no final das contas, para mim, O Regresso não é uma história sobre vingança ou sobrevivência, mas sim sobre o desejo de permanecer vivo.

Título original: The Revenant
Editora: Intrínseca
Autor: Michael Punke
Ano: 
2002
Páginas: 
272
Tempo de leitura:
 5 dias
Avaliação:
3 estrelas

selo-2015

Anúncios

11 thoughts on “Resenha de O Regresso – Michael Punke

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s