Resenha de A Sorte do Agora – Matthew Quick

IMG_7223

Em quase 40 anos de vida, Bartholomew Neil nunca trabalhou fora, nem tomou uma cerveja com um amigo ou sequer teve um encontro amoroso. Apenas morou com a mãe e cuidou dela em seus últimos anos de vida. Por isso, não é de se surpreender que, após a morte de sua única família, Bartholomew não saiba exatamente como tocar a vida. Completamente perdido, ele encontra uma carta de Richard Gere na gaveta de calcinhas da mãe, o que considera um sinal do destino, e começa escrever para o ator. Em seus relatos extremamente íntimos, Bartholomew revisita a infância, relembra o passado, mantém a memória da mãe viva e narra sua jornada em busca de novos companheiros para a vida.

>> Encontre o melhor preço de A Sorte do Agora

Não tem como negar que Matthew Quick é repetitivo em seus livros. No entanto, por mais que o comentário soe negativo, não se trata de uma crítica. Explico: por incrível que pareça, apesar de abordar os mesmos temas e formatos, o autor sempre consegue, de alguma forma, encontrar o ineditismo em suas obras e presentear o leitor com tramas envolventes e morais da história inspiradoras. Em A Sorte do Agora, Quick recorre mais uma vez à narrativa epistolar, ou seja, as cartas têm papel fundamental no desenrolar da história, assim como em O Lado Bom da Vida e Perdão, Leonard Peacock.

E o que é a realidade senão a forma como nos sentimos sobre as coisas?

Já de Quase uma rockstar, o autor empresta a forma de abordar a religião, de maneira fervorosa, mas livre de intolerância. As principais características dos protagonistas são outra semelhança entre as duas obras: tanto Bartholomew quanto Amber Appleton são ingênuos e têm senso de humor apurado, além da compaixão e da vontade de fazer o bem. E se Dr. Patel e Herr Silverman brilham como coadjuvantes em O Lado Bom da Vida e Perdão, Leonard Peacock, respectivamente, a finada mãe de Bartholomew é quem rouba a cena em A Sorte do Agora, apesar de não aparecer no livro “em tempo real”, com suas teorias e filosofias, que se transformam em ensinamentos e motivos de reflexão.

“Reze para seu coração ser capaz de aguentar tudo o que acontecer com você no futuro. Seu coração tem que continuar acreditando que os acontecimentos neste mundo não são tudo ou nada, e sim simples variáveis transitórias sem importância”

A Sorte do Agora pode ter momentos previsíveis e não apresentar grandes novidades em relação às outras obras de Matthew Quick. Mas é mais uma prova de que o autor é capaz de navegar entre polos opostos com maestria e criar histórias sensíveis e brutais, devastadoras e bem humoradas e, acima de tudo, repletas de dor e de esperança. Com personagens de certa forma irreais, mas extremamente cativantes, Quick explora as melhores virtudes humanas e, em A Sorte do Agora, nos mostra que fingir não precisa ser sempre algo ruim – pelo contrário, pode ser a chave para transformar em realidade.

Título original: The Good Luck of Right Now
Editora: Intrínseca
Autor: Matthew Quick
Ano: 2014
Páginas: 224
Tempo de leitura: 1 dia
Avaliação: 4 estrelas

Veja mais livros de Matthew Quick

selo-2015

Anúncios

4 thoughts on “Resenha de A Sorte do Agora – Matthew Quick

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s