Resenha de Mosquitolândia – David Arnold

IMG_5812

Mim Malone vive à base de remédios contra sua vontade e não está nada bem. Para piorar a situação, ela é obrigada a trocar Ohio por Mississippi para viver com o pai e a madrasta e, antes mesmo de se adaptar à nova vida, descobre que a mãe está doente. Mim não sabe exatamente o que está acontecendo, mas sente que ela precisa de sua ajuda e decide embarcar em uma viagem de ônibus rumo à Cleveland, onde a mãe está. Durante a jornada, Mim se depara com muitos contratempos e reencontra não apenas a verdade e a si mesma, mas também amizades inesperadas que redefinem os significados de amor e companheirismo.

>> Encontre o melhor preço de Mosquitolândia

Comecei a leitura de Mosquitolândia sem saber exatamente o que esperar – confesso que achei o nome engraçado, hehe -, e fui tanto surpreendida, quanto levemente desapontada. Explico: adorei o estilo honesto e direto da narrativa de David Arnold, assim como a forma pura e ao mesmo tempo madura com que ele retrata a amizade, a lealdade e a cumplicidade; no entanto, não gostei muito de alguns lugares-comuns que apareceram na obra, como o previsível “bad-boy-que-no-fim-não-é-tão-bad-boy“, Beck, e algumas rebeldias de Mim, típicas de adolescentes irritantes de young adults.

Mas essa é a essência da mudança, não é? Quando é gradual, chama-se crescimento; quando é rápida, mudança.

Mosquitolândia alterna o presente e o passado de Mim, o que aguça a curiosidade do leitor sobre as circunstâncias que a levaram a fugir da casa do pai e da madrasta. A protagonista, aliás, lista todos os motivos em cartas que, apesar de serem endereçadas a Isabel, não deixam claro seu real destino, adicionando ainda mais suspense à trama. E apesar de a história ser relativamente densa e dramáticaMosquitolândia conta com senso de humor apurado e tiradas inteligentes, que garantem a leveza e originalidade da obra.

E, por mais simples que pareça, acho que entender quem você é – e quem não é – é a coisa mais importante de todas as Coisas Importantes.

Mosquitolândia me lembrou bastante de Cidades de Papel, de John Green, e não só pela questão da road trip, mas também pela forma como David Arnold ressalta a importância da amizade. Outro ponto que as duas obras têm em comum é a mania intrínseca ao ser humano de transformar pessoas em ideias boas ou ruins, em vilões ou mocinhos, esquecendo que todo mundo, sem exceção, é tridimensional e possui tanto qualidades quanto defeitos.

Desenvolvi uma teoria que gosto de chamar de “Princípio da Dor”. Basicamente é: a dor torna as pessoas quem elas são.

Depois de tantos conflitos e algumas reviravoltas, achei o final de Mosquitolândia um pouco corrido e a redenção de Mim Malone, fácil e relativamente simples. No entanto, a verdade é que a obra de estreia de David Arnold tem aquilo que faz quase qualquer livro valer a pena – uma moral da história incontestável. E, em Mosquitolândia, a trajetória de Mim Malone deixa claro que só aprende de verdade quem não para apenas para falar, mas também para ouvir.

Título original: Mosquitoland
Editora: Intrínseca
Autor: David Arnold
Ano: 2015
Páginas: 348
Tempo de leitura: 4 dias
Avaliação: 3 estrelas

selo-2015

Anúncios

2 thoughts on “Resenha de Mosquitolândia – David Arnold

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s