Resenha de O que restou de mim – Kat Zhang

Processed with Rookie

No futuro, todos nascem com duas almas, que, até certa idade, se alternam no controle do corpo. Aos poucos, uma delas se revela dominante e, ainda na infância, passa a ser a única “habitante”. As pessoas cujas almas recessivas nunca vão embora são chamadas de híbridas e consideradas inconstantes e, portanto, perigosas. Eva e Addie nunca se definiram e ainda dividem o mesmo corpo, embora apenas Addie tenha o controle sobre ele. Para garantir a segurança, as duas mantém o fato em segredo, mas quando Eva descobre que existe uma forma de voltar a se movimentar, elas começam a correr perigo.

>> Encontre o melhor preço de O que restou de mim

Fiquei curiosa para ler O que restou de mim assim que vi a capa e li a sinopse. No entanto, confesso que, quanto mais a leitura avançava, mais decepcionada eu ficava. Para começar, nenhum personagem, muito  menos as protagonistas, é muito carismático ou envolvente e a história demora bastante para engrenar – e quando o faz não é exatamente a mais empolgante e imprevisível. Talvez eu esteja um pouco saturada de distopias, mas acredito que, de qualquer forma, a trama desenvolvida por Kat Zhang não seja realmente muito cativante.

No entanto, para mim, a falha mais grave de O que restou de mim é o fato da autora não ter aproveitado uma das maiores vantagens das distopias e fantasias, que é poder criar um mundo completamente novo, em que praticamente tudo pode ser explicado por processos científicos que não necessariamente fazem sentido na vida real. Zhang quase abre mão deste artifício e deixa o leitor com dúvidas que, na minha opinião, deveriam ser sanadas logo no primeiro volume da série, como por exemplo: qual a finalidade de cada corpo nascer com duas almas?

E para não dizer que apenas critiquei O que restou de mim, há que se ressaltar que os principais atrativos do livro são a disputa, ainda que involuntária e velada, entre Addie e Eva e o conflito de sentimentos de ambas. No final das contas, ainda não decidi se irei continuar a leitura da saga ou se vou parar por aqui. De qualquer forma, não é um  livro que indico para os amantes de distopias.

Título original: What’s Left of Me
Editora: Galera Record
Volumes seguintes: Once We WereEchoes of Us (ainda não publicados no Brasil)
Autor: Kat Zhang
Ano: 2012
Páginas: 320
Tempo de leitura: 7 dias
Avaliação: 3 estrelas

Anúncios

4 thoughts on “Resenha de O que restou de mim – Kat Zhang

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s