Resenha de Eat, Brains, Love – Jeff Hart

IMG_4340

Jake Stephens era o típico adolescente invisível e mantinha sua paixão por Amanda Blake, a garota mais popular da escola, em segredo. No entanto, tudo mudou quando Jake e Amanda se transformaram em zumbis ao mesmo tempo e devoraram a maioria dos amigos. Cass, por sua vez, é uma agente secreta do governo e, com seus poderes psíquicos, é capaz de encontrar as criaturas para que elas sejam exterminadas. Mas, apesar de saber exatamente onde estão Jake e Amanda, a agente não consegue entregá-los aos seus superiores. Enquanto Cass tenta descobrir por que não está sendo capaz de realizar seu trabalho como sempre, Jake e Amanda procuram entender o que realmente aconteceu com eles e se há uma forma de reverter a situação.

A primeira coisa que me veio à cabeça assim que comecei a ler Eat, Brains, Love foi Sangue Quente, de Isaac Marion. No entanto, apesar de realmente ter pontos em comum, ao longo da leitura, notei que a obra de Jeff Hart segue também por caminhos distintos, principalmente por narrar a história tanto pelo ponto de vista da “oposição” (Cass), como do zumbi (Jake). O poder psíquico de Cass e a forma como ele é utilizado, aliás, me lembraram também a série Desaparecidos, de Meg Cabot.

Embora seja considerada uma história de terrorEat, Brains, Love abusa – no bom sentido – do bom humor, com tiradas inteligentes e que realmente fazem rir. E, apesar de ser uma espécie de distopia, com direito à teoria da conspiração, a obra de Jeff Hart também explora bastante a faceta young adult, com uma boa dose de romance e um triângulo amoroso inesperado.

Eu fiquei bastante curiosa para ler Eat, Brains, Love assim que li a sinopse, no entanto, terminei a leitura bastante surpresa. Como disse no começo da resenha, quando percebi que Jeff Hart exploraria o lado “humano” dos zumbis, imaginei que seria como em Sangue Quente, em que o protagonista R se apaixona e, por meio deste sentimento, é trazido, aos poucos, de volta à vida. No entanto, em Eat, Brains, Love, o autor não apenas humaniza os zumbis, como também os retrata como verdadeira vítimas: da situação, da doença e do preconceito.

Na minha opinião, o grande trunfo de Jeff Hart foi fazer com que os zumbis saíssem do mundo da fantasia pura e sem explicação, ao transformá-los em pessoas que foram infectadas por um vírus. O que me faz amar Eat, Brains, Love, mas também me assusta porque talvez seja o mais próximo do que pode realmente acontecer um dia.

Título original: Eat, Brains, Love
Volume seguinte: Undead with Benefits
Autor: Jeff Hart
Ano: 2013
Páginas: 352
Tempo de leitura: 3 dias
Avaliação: 5 estrelas

Anúncios

2 pensamentos sobre “Resenha de Eat, Brains, Love – Jeff Hart

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s