Resenha de O Retrato de Dorian Gray – Oscar Wilde

Dorian Gray é um jovem órfão, rico e dono de uma beleza extraordinária. Quando ele chega à cidade grande, o artista Basil Hallward fica encantado com sua perfeição e pede para pintar um retrato do jovem. Em uma das sessões, Dorian é apresentado a Harry Wotton, ou Lord Henry, que, ao mesmo tempo em que fica fascinado com a beleza do garoto, também o impressiona com suas ideias, no mínimo, controversas. Quando o retrato fica pronto, Dorian finalmente descobre o tamanho de sua perfeição física e, nesse momento de vulnerabilidade, Harry consegue convencê-lo de que beleza e juventude são as coisas mais importantes na vida de um homem. O jovem, então, pede que as duas virtudes durem para sempre e, como se fosse mágica, o retrato passa a absorver todas as consequências do tempo, dos excessos e pecados de Dorian. E então, ele se sente livre para viver uma vida cheia de prazeres e isenta de culpa.

>> Encontre o melhor preço de O Retrato de Dorian Gray

O enredo de O Retrato de Dorian Gray é fantasioso, mas, na verdade, é uma crítica (em forma de metáfora) à superestimação da beleza e da juventude – o que nos leva a acreditar que esse “fenômeno” não é algo exclusivo dos dias atuais. O narrador onisciente, como sempre, enriquece a história, por revelar pensamentos e pontos de vista de várias personagens e também colocar os fatos em perspectiva. No entanto, grande parte do livro é contada por meio de diálogos incrivelmente ácidos e afiados. Porém, apesar de, na maioria do tempo, o livro ser pouco descritivo, em alguns momentos, Oscar Wilde passa páginas e páginas apenas falando sobre pessoas, casos e situações –  o que devo confessar que é um pouco cansativo, mas sei que faz parte do jogo. No entanto, a monotonia desses trechos é facilmente compensada pelas falas ora revoltantes, ora engraçadas (mas sempre polêmicas e com um fundo de verdade) proferidas por Lord Henry durante o livro.

Ler um clássico de 1890 foi interessante para conhecer os costumes daquela época e saber como as pessoas pensavam e se comportavam. E é totalmente diferente dos dias atuais, claro, mas igualmente fascinante. O livro tem apenas 213 páginas, quantidade que eu mataria facilmente em mais ou menos 3 dias. Então, o fato de eu ter levado duas semanas para lê-lo diz muito sobre sua fluidez. O que quero dizer é que O Retrato de Dorian Gray definitivamente não é uma leitura fácil e rápida. Por ter sido escrito no século 19, a linguagem é bem diferente e a história é densa, assim como a narrativa. Além disso, eu li o livro em inglês, o que, claro, torna tudo um pouco mais complicado. No entanto, isso não quer dizer que o clássico de Oscar Wilde seja chato ou massante. Só significa que você vai precisar de muita vontade para não abandoná-lo – caso você não leia muitos clássicos ou esteja mais acostumada com leituras mais atuais e/ou leves.

Título original: The Picture of Dorian Gray
Autor: Oscar Wilde
Ano: 1891
Páginas: 213
Tempo de leitura: 14 dias
Avaliação: 4 estrelas

Anúncios

3 pensamentos sobre “Resenha de O Retrato de Dorian Gray – Oscar Wilde

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s