Resenha de O Lado Bom da Vida – Matthew Quick

o-lado-bom-da-vida

Pat Peoples é um ex-professor de 30 anos que acaba de sair de um hospital psiquiátrico. Pat não se lembra como foi parar no “lugar ruim”, como ele chama o local, e também nem desconfia de que passou muito mais tempo por lá do que imagina. Tudo o que sabe é que sua esposa, Nikki, pediu um “tempo separados” e, ao sair do “confinamento”, seu maior objetivo é se tornar uma pessoa melhor para reconquistá-la. No entanto, quando volta para o mundo real, Pat percebe que muitas coisas não são mais como antes: seu pai o ignora, sua mãe chora com frequência, seus amigos o tratam cheios de dedos e, mesmo assim, ninguém parece disposto a contar-lhe a verdade sobre o tempo que passou fora. Com muitos buracos em suas lembranças, Pat precisa reconstruir sua memória e, claro, encontrar uma forma de acabar com o “tempo separados”.

A leitura de O Lado Bom da Vida já começa permeada pela curiosidade sobre o passado de Pat. Conforme ele reencontra seus amigos e familiares e as situações se desenrolam, quase sempre de forma desconfortável, muitas especulações passam pela cabeça do leitor. Acontece que a obra é narrada em primeira pessoa por Pat e ele também não tem muitas informações sobre sua própria vida – como, por exemplo, que é um torcedor fanático dos Eagles. E, assim, você passa a saber mais sobre o protagonista ao mesmo passo em que ele também descobre mais sobre si mesmo.

Durante todo o livro, Pat costuma citar Nikki em tudo o que pensa e faz. Ele lê clássicos da literatura porque Nikki gostaria; ele treina ser gentil em vez de ter razão porque Nikki ficaria orgulhosa; ele se culpa por certas atitudes descontroladas porque Nikki ficaria brava; e por aí vai. E essa obsessão pode irritar em alguns momentos porque, embora não saibamos o porquê, está bem claro que Nikki não faz questão de participar da vida de Pat. No entanto, também traz certas doses de romantismo, otimismo e esperança à história.

Outros ingredientes bastante presentes em O Lado Bom da Vida são a sinceridade e a lealdade. Ambos são fortemente representados por Pat, que é, acima de tudo, sincero (até demais) e leal àqueles que ama – e, principalmente, à Nikki. Tiffany, que surge como mera coadjuvante, mas ganha espaço ao longo da história, também é bastante fiel à sua estranha amizade com Pat, ainda que de um jeito peculiar, assim como Cliff Patel, o terapeuta do protagonista.

A obra de Matthew Quick ensina a não desistir daquilo em que realmente acreditamos, mesmo quando tudo e todos parecem estar contra nós. Mas, antes que a palavra “clichê” brote na sua cabeça, saiba que essa história é, principalmente, sobre o tempo que cada um precisa para entender e fazer aquilo que é certo. Por fim, O Lado Bom da Vida é uma história que pode ser trágica e cômica, feliz e triste, calma e agitada. Tudo ao mesmo tempo. E é por isso que, apesar de ter um enredo incomum, é tão fácil de se identificar com ela. Afinal, a vida não é mais ou menos assim, tudo ao mesmo tempo, de um extremo para o outro?

Título original: The Silver Linings Playbook
Editora: Intrínseca
Autor: Matthew Quick
Publicação original: 2008

10 comments

  1. […] O Lado Bom da Vida Sinopse: Pat Peoples é um ex-professor de 30 anos que acaba de sair de um hospital psiquiátrico. Pat não se lembra como foi parar no “lugar ruim”, como ele chama o local, e também nem desconfia de que passou muito mais tempo por lá do que imagina. Tudo o que sabe é que sua esposa, Nikki, pediu um ”tempo separados” e, ao sair do “confinamento”, seu maior objetivo é se tornar uma pessoa melhor para reconquistá-la. No entanto, quando volta para o mundo real, Pat percebe que muitas coisas não são mais como antes: seu pai o ignora, sua mãe chora com frequência, seus amigos o tratam cheios de dedos e, mesmo assim, ninguém parece disposto a contar-lhe a verdade sobre o tempo que passou fora. Com muitos buracos em suas lembranças, Pat precisa reconstruir sua memória e, claro, encontrar uma forma de acabar com o “tempo separados”. […]

  2. Então, eu tô terminando de ler, e tô achando totalmente nada a ver com o filme! Assim, o filme pegou bem o modo de pensar do Pat, meio esquisito e tal, Bradley mandou muito bem, mas a Tiffany? N tem nada a ver! Mas acho q ficou um pouco mais leve no filme….o que vc acha?

    • Má, ainda não fiz o livro x filme desse porque eu vou xingar demais hahaha acho que o Pat, sim, é fiel, mas só. A Tiffany é outra coisa, o problema dos dois é outra coisa, o pai dele fala com ele, aquele final de comédia romântica… ai tá tudo errado hahaha

Deixe uma Resposta para Mari Shitara Cancelar resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s